sicnot

Perfil

Mundo

Vários mortos em ataque a aeroporto no Congo

Um ataque ao aeroporto de Kananga, no centro da República Democrática do Congo, realizado por apoiantes de um chefe tradicional, morto em agosto pelas forças da ordem, causou "numerosos mortos" na quinta e sexta-feira.

"Houve confrontos em Kananga, mas a calma regressou [hoje] ao fim da manhã", disse à AFP o porta-voz do Governo congolês, Lambert Mende.

Segundo balanços contraditórios de várias fontes compilados pela AFP, os confrontos terão causado entre pelo menos dez mortos e várias dezenas.

"Registámos sete mortos entre os militares e 40 entre as fileiras dos assaltantes, miliciano do chefe Kamwena Nsapu", declarou, sob anonimato, um membro do gabinete do governador da província de Kasai-Central, da qual Kananga é a capital.

Questionado sobre o balanço de várias dezenas de mortos, Mende respondeu que "a calma regressou, talvez com esse preço", acrescentando: "Estamos em trabalho de avaliação" para esclarecer todo o assunto.

Uma fonte militar ocidental assegurou que "há certamente mais de dez mortos", mas "menos de 20".

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.