sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de manifestantes contra a legalização do casamento gay no México

© Carlos Jasso / Reuters

Milhares de pessoas, vestidas de branco, participaram este sábado na Cidade do México numa marcha para contestar a intenção do Presidente, Enrique Peña Nieto, de legalizar o casamento homossexual em todo o país.

Simpatizantes da causa homossexual, empunhando bandeiras multicoloridas, organizaram, na mesma zona, um encontro para apoiar o casamento entre pessoas do mesmo género, mas a polícia colocou barreiras e dezenas de agentes nas ruas para evitar que apoiantes e opositores se encontrassem.

À frente da marcha organizada pela Frente Nacional pela Família, que reúne grupos religiosos conservadores, surgiam cartazes com a imagem da Virgem de Guadalupe, padroeira do México, e outros em que se lia "A minha família é como a de Nazaré", com desenhos representando as silhuetas de Maria, José e Jesus.

Luis Gallego, porta-voz da União Nacional Cristã para a Família, rodeado por um forte aparato de segurança, disse à agência de notícias France-Presse que, para ser protegida, uma criança precisa de uma família "formada por um homem e uma mulher".

Junto ao percurso dos manifestantes anti-casamento homossexual, um grupo de jovens exibiam cartazes afirmando "Eu sou católico e sou gay. Quero praticar contigo!".

Em maio passado, o Presidente mexicano anunciou a intenção de reformar a Constituição para autorizar, em todo o país, o casamento entre pessoas do mesmo género, até agora limitado a certas regiões.

A Cidade do México é, desde 20017, a primeira na América Latina a autorizar as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, antes de legalizar o casamento homossexual, em 2009. No entanto, tal apenas é permitido em alguns Estados mexicanos.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.