sicnot

Perfil

Mundo

Eleições regionais em Espanha sem perspetivas de resolver impasse em Madrid

LAVANDERIA JR

As Comunidades Autónomas espanholas da Galiza e País Basco realizam hoje eleições para os parlamentos regionais sem que haja grandes esperanças que ajudem a resolver o impasse político nacional e que evitem terceiras eleições gerais.

Na Galiza, o Partido Popular (PP, direita) deverá ser o grande vencedor, obtendo, segundo sondagens, a maioria absoluta e garantindo a continuação da liderança política na Comunidade Autónoma.

O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) arrisca-se a ser ultrapassado na segunda posição pelo En Marea (coligação que agrupa, entre outros, os partidos de esquerda Podemos e Esquerda Unida) na região que faz fronteira com o norte de Portugal.

No País Basco, todas as sondagens dão a vitória ao Partido Nacionalista Basco (PNV, conservador nacionalista) com um terço dos votos, seguido do EH Bildu (Euskal Herria Bildu - coligação de vários partidos regionais de esquerda e independentistas) e do Podemos (radicais de esquerda).

Os dois grandes partidos políticos espanhóis, o PP e o PSOE, deverão ficar na quarta e quinta posição.

O Podemos é uma das novidades nestas eleições regionais, onde concorre pela primeira vez, depois de ter sido o partido mais votado no País Basco nas eleições gerais de 26 de junho último.

O PSOE deverá diminuir a sua influência nestas duas regiões, o que enfraquece as possibilidades de sucesso da tentativa que o partido vai fazer nos próximos dias para encontrar uma candidatura alternativa ao Governo espanhol que desbloqueie o atual impasse político em Madrid.

Se a situação não for debloqueada até 31 de outubro próximo, o rei Felipe VI terá de dissolver o parlamento nacional e convocar novas eleições.

Lusa

  • Mais de 1600 fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado fez mais de 1600 ações de fiscalização a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público. Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.