sicnot

Perfil

Mundo

Novos bombardeamentos atingem Alepo a horas de reunião de urgência na ONU

© Abdalrhman Ismail / Reuters

Aviões sírios e russos voltaram hoje a bombardear o leste de Alepo, controlada pelos rebeldes, a horas de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU para discutir a pior onda de violência na cidade em anos.

Os habitantes da cidade relataram um bombardeamento intensivo durante a noite no leste da cidade, cercado desde julho e cujo controlo o exército sírio prometeu retomar.

Pelo menos 101 pessoas, na maioria civis, foram mortas em bombardeamentos sírios e russos no leste de Alepo desde que o exército anunciou a operação, na quinta-feira, segundo dados do Observatório Sírio dos Direitos humanos.

A organização diz que pelo menos 17 crianças estão entre os mortos no ataque, que incluiu o lançamento de mísseis, bombas-barril e fogo de artilharia.

Os habitantes contam que no sábado à noite caíram muitas bombas de fragmentação no leste da cidade, onde cerca de 250 mil pessoas vivem sob um cerco do governo desde julho.

No sábado, o secretário-geral da ONU manifestou-se consternado pela escalada da violência em Alepo e o Reino Unido, França e os EUA pediram uma reunião de emergência do Conselho de Segurança.

A reunião está agendada para as 16:00 (hora de Lisboa), mas não é claro que resultado poderá ter, já que Washington e Moscovo têm trocado acusações sobre o falhanço do cessar-fogo acordado na semana passada.

Washington e os seus aliados europeus dizem ser responsabilidade de Moscovo salvar a trégua.

"É responsabilidade da Rússia provar que tem vontade e capacidade de tomar os passos extraordinários para salvar os esforços diplomáticos", pode ler-se num comunicado conjunto do Reino Unido, França, Alemanha, Itália, EUA e União Europeia.

No entanto, a Rússia acusa Washington pela falência do cessar-fogo, afirmando que os EUA não cumpriram o seu compromisso de assegurar que os rebeldes moderados se afastam dos grupos islamitas como a Frente Al-Nusra.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Síria, por seu lado, disse no sábado que o seu governo está confiante na vitória, com a ajuda dos seus "verdadeiros amigos", como a Rússia, o Irão e o grupo shiita libanês Hezbollah.

Lusa

  • Bombardeamentos russos e sírios deixam Alepo sem água
    1:49

    Mundo

    Pelo menos 32 pessoas morreram nas últimas horas na Síria, onde as tropas governamentais apertaram o cerco a Alepo. A ofensiva terrestre para recuperar as áreas controladas pela oposição já dura há vários dias. Os rebeldes dizem nas redes sociais que a comunidade internacional está em silêncio perante as atrocidades cometidas polo regime. A cidade de Alepo ficou sem água canalizada devido aos bombardeamentos desta semana.

  • Divulgadas imagens do resgate de duas crianças sírias nos ataques a Alepo
    2:00

    Mundo

    Uma menina de 5 anos e um bebé foram dois dos sobreviventes dos últimos bombardeamentos aos bairros rebeldes de Alepo, que o regime sírio tenta reconquistar. Esta sexta-feira, pelo menos 91 pessoas morreram. Os bombardeamentos atingiram as estruturas dos Capacetes Brancos, que organizam socorro aos civis na Síria. As imagens podem chocar as pessoas mais sensíveis.

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira