sicnot

Perfil

Mundo

Novos bombardeamentos atingem Alepo a horas de reunião de urgência na ONU

© Abdalrhman Ismail / Reuters

Aviões sírios e russos voltaram hoje a bombardear o leste de Alepo, controlada pelos rebeldes, a horas de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU para discutir a pior onda de violência na cidade em anos.

Os habitantes da cidade relataram um bombardeamento intensivo durante a noite no leste da cidade, cercado desde julho e cujo controlo o exército sírio prometeu retomar.

Pelo menos 101 pessoas, na maioria civis, foram mortas em bombardeamentos sírios e russos no leste de Alepo desde que o exército anunciou a operação, na quinta-feira, segundo dados do Observatório Sírio dos Direitos humanos.

A organização diz que pelo menos 17 crianças estão entre os mortos no ataque, que incluiu o lançamento de mísseis, bombas-barril e fogo de artilharia.

Os habitantes contam que no sábado à noite caíram muitas bombas de fragmentação no leste da cidade, onde cerca de 250 mil pessoas vivem sob um cerco do governo desde julho.

No sábado, o secretário-geral da ONU manifestou-se consternado pela escalada da violência em Alepo e o Reino Unido, França e os EUA pediram uma reunião de emergência do Conselho de Segurança.

A reunião está agendada para as 16:00 (hora de Lisboa), mas não é claro que resultado poderá ter, já que Washington e Moscovo têm trocado acusações sobre o falhanço do cessar-fogo acordado na semana passada.

Washington e os seus aliados europeus dizem ser responsabilidade de Moscovo salvar a trégua.

"É responsabilidade da Rússia provar que tem vontade e capacidade de tomar os passos extraordinários para salvar os esforços diplomáticos", pode ler-se num comunicado conjunto do Reino Unido, França, Alemanha, Itália, EUA e União Europeia.

No entanto, a Rússia acusa Washington pela falência do cessar-fogo, afirmando que os EUA não cumpriram o seu compromisso de assegurar que os rebeldes moderados se afastam dos grupos islamitas como a Frente Al-Nusra.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Síria, por seu lado, disse no sábado que o seu governo está confiante na vitória, com a ajuda dos seus "verdadeiros amigos", como a Rússia, o Irão e o grupo shiita libanês Hezbollah.

Lusa

  • Bombardeamentos russos e sírios deixam Alepo sem água
    1:49

    Mundo

    Pelo menos 32 pessoas morreram nas últimas horas na Síria, onde as tropas governamentais apertaram o cerco a Alepo. A ofensiva terrestre para recuperar as áreas controladas pela oposição já dura há vários dias. Os rebeldes dizem nas redes sociais que a comunidade internacional está em silêncio perante as atrocidades cometidas polo regime. A cidade de Alepo ficou sem água canalizada devido aos bombardeamentos desta semana.

  • Divulgadas imagens do resgate de duas crianças sírias nos ataques a Alepo
    2:00

    Mundo

    Uma menina de 5 anos e um bebé foram dois dos sobreviventes dos últimos bombardeamentos aos bairros rebeldes de Alepo, que o regime sírio tenta reconquistar. Esta sexta-feira, pelo menos 91 pessoas morreram. Os bombardeamentos atingiram as estruturas dos Capacetes Brancos, que organizam socorro aos civis na Síria. As imagens podem chocar as pessoas mais sensíveis.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.