sicnot

Perfil

Mundo

Partido Popular continuará a governar na Galiza com maioria absoluta

© Miguel Vidal / Reuters

O Partido Popular (PP, direita) ganhou este domingo as eleições legislativas regionais na Galiza com maioria absoluta, mantendo 41 deputados em 75, e garantindo para Alberto Núñez Feijóo a continuação à frente da Xunta (governo regional).

A Galiza é a única Comunidade Autónoma espanhola governada por um partido com maioria absoluta e não necessita de se coligar.

Com 98,6 % dos votos escrutinados, a formação En Marea (coligação que agrupa, entre outros, os partidos de esquerda Podemos e Esquerda Unida) conseguiu ultrapassar o Partido Socialista (PSOE) em número de votantes, tendo, no entanto, as duas forças políticas ficado com 16 representantes na assembleia regional.

O Bloco Nacionalista Galego baixa de nove para seis deputados regionais e o partido de centro-direita Ciudadanos não conseguiu, mais uma vez, eleger qualquer representante.

A Galiza está situada no noroeste da península Ibérica, a norte de Portugal e tem cerca de 2,7 milhões de habitantes e um território que corresponde a cerca de um terço do de Portugal.

Hoje também se realizaram eleições no País Basco com a vitória por maioria relativa do Partido Nacionalista Vasco (PNV) que terá, mais uma vez, de encontrar apoios para continuar à frente do governo regional.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.