sicnot

Perfil

Mundo

População de elefantes em África está nos mínimos dos últimos 25 anos

© STR New / Reuters

A população de elefantes em África está no nível mais baixo desde há 25 anos, sobretudo devido à caça furtiva, revela um relatório da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), hoje publicado.

Segundo o estudo, baseado em 275 medições em todo o continente, África tem hoje cerca de 415.000 elefantes, uma queda de 111.000 desde a última década.

Esta é a primeira vez em 25 anos que o Relatório sobre o Estado do Elefante Africano regista um declínio no número de espécimes e a UICN atribui a queda à caça furtiva.

"O forte aumento da caça furtiva que começou há cerca de uma década - o pior que a África viveu desde os anos 1970/80, é a principal causa do declínio" da população de elefantes, explica a UICN em comunicado.

Outra ameaça para a espécie é o desaparecimento progressivo das zonas naturalmente habitadas pelos elefantes.

A diretora-geral do UICN, Inger Andersen, disse que os números mostram "a situação verdadeiramente alarmante do majestoso elefante".

"É chocante, mas não surpreendente, que a caça furtiva tenha tido um impacto tão dramático neste espécie icónica", disse.

Os caçadores furtivos caçam elefantes para venderem a preços elevados os seus dentes de marfim, sobretudo nos mercados asiáticos.

O relatório foi divulgado perante os delegados da CITES, a convenção internacional sobre o comércio de espécies selvagens ameaçadas de extinção, que começou no sábado em Joanesburgo e durante a qual deverão ser discutidas novas medidas de proteção.

Lusa

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Martin Schulz ataca Merkel a três meses das legislativas

    Mundo

    O social-democrata alemão Martin Schulz passou este domingo à ofensiva, a três meses das eleições legislativas, ao acusar Angela Merkel de "arrogância" e de sabotar a "democracia", quando as sondagens apontam para uma larga vantagem da chanceler da Alemanha.

  • Martha, a cadela mais feia do mundo
    0:42

    Mundo

    A cadela Martha, de raça mastim napolitano ficou em primeiro lugar na edição anual do concurso que elege os cães mais feios do mundo. A cadela tem três anos, pesa 57 quilos e foi resgatada pela dona quando estava praticamente cega. Acabou por recuperar a visão depois de várias operações. Martha e a dona receberam um prémio de 1.500 dólares e uma viagem a Nova Iorque para marcarem presença em programas de televisão.