sicnot

Perfil

Mundo

Adriano Moreira diz que um novo candidato seria um retrocesso para a ONU

O docente universitário Adriano Moreira considerou esta segunda-feira António Guterres o candidato mais bem preparado para assumir a liderança das Nações Unidas, salientando que um novo nome constituirá um retrocesso no processo de transparência da organização.

"Esta eleição que está em curso corresponde a um pedido de transparência por parte da sociedade" civil, afirmou Adriano Moreira, considerando António Guterres o candidato melhor preparado para assumir o cargo de secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Depois da "alta competência que tem demonstrado o candidato português", que hoje ficou à frente na quinta votação secreta entre os membros do Conselho de Segurança da ONU, se Guterres "não for eleito é porque morreu qualquer coisa de importante" no organismo.

A confirmarem-se "rumores" de que poderá ser eleito "alguém que não passou por todas as provas [a que já respondeu António Guterres] será um grande retrocesso no processo de transparência", afirmou o histórico do CDS-PP.

Em causa está a possibilidade de a vice-presidente da Comissão Europeia, Kristalina Georgieva, poder concorrer a sucessor de Ban Ki-moon, com o apoio da Alemanha e de outros estados-membros, antes da decisão final da assembleia-geral.

Num debate em Óbidos, Adriano Moreira falou hoje sobre a ONU, a Europa e Portugal, considerando que há razões para os portugueses estarem "inquietos".

Se internamente "cada país deve estar preocupado com os seus governos", no que respeita à Europa as preocupações passam, entre outras questões, pelas consequências que poderão trazer as eleições presidenciais nos Estados Unidos da América.

Recordando uma velha frase em que os americanos consideravam que "Deus foi generoso" com o país a colocar o oceano a separá-lo da Europa, e sem referir concretamente a possibilidade de Donald Trump ser eleito, Adriano Moreira disse temer "um desastre se a presidência dos Estados Unidos voltar a pensar que Deus foi generoso", numa referência à política de isolacionismo do candidato republicano.

Assumindo-se "pessimista", Adriano Moreira considerou ainda que o mundo vive hoje uma fase de "amargura madura", em que é "imperioso o desarmamento" e o surgimento de novas "vozes encantatórias" com ideias fortes sobre os problemas do mundo.

Adriano Moreira participava na segunda edição do Folio -- Festival Literário Internacional de Óbidos, que este ano celebra os 500 anos da 'Utopia' de Thomas More, o Ano Internacional do Entendimento Global, o centenário do nascimento de Vergílio Ferreira, os 500 anos da morte do pintor Hieronymus Bosch e os 400 da morte dos clássicos William Shakespeare e Miguel de Cervantes.

Lusa

  • Guterres, o mais votado pela quinta vez
    2:21

    Mundo

    António Guterres voltou a ganhar a votação secreta informal para secretário-geral das Nações Unidas. O antigo primeiro-ministro português e ex-comissário da ONU para os refugiados voltou a obter 12 votos de encorajamento, um sem opinião e apenas dois desfavoráveis.

  • "António Guterres tem a grande vantagem de ser de um país pequeno"
    9:19

    Ricardo Costa

    Ricardo Costa esteve no Jornal das 7 da SIC Noticias, onde comentou a vitória de António Guterres na quinta votação informal para secretário-geral da ONU. Ricardo Costa falou sobre os votos de desencorajamento que Guterres recebeu e que o importante é que nenhum destes votos é de um dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. Disse que se houver um voto de desencorajamento dos EUA, China, Inglaterra, França ou Rússia, nenhum candidato tem hipótese de avançar. Ricardo Costa comentou ainda o facto de António Guterres ser de um país pequeno e que isso podia ser uma vantagem.

  • Chuva deixa em alerta 12 distritos do continente

    País

    Doze distritos do continente estão hoje sob aviso amarelo devido à previsão de chuva, que pode ser pontualmente forte e acompanhada por trovoadas e granizo, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • A experiência de um embaixador português na Coreia do Norte
    2:58

    País

    A Coreia do Norte tem o maior orçamento militar do mundo e o seu arsenal nuclear acaba por dar-lhe acesso a uma possível cimeira com os Estados Unidos. A pobreza e o culto da personalidade foram testemunhados pelo embaixador, José Manuel de Jesus, que visitou várias vezes Pyongyang.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.