sicnot

Perfil

Mundo

Fumar deixa marcas duradouras no ADN

reuters

Os fumadores ficam com a "pegada" do seu vício inscrita nos genes durante muito tempo. Uma marca que pode ser usada para identificar e desenvolver tratamentos para doenças relacionadas com o tabaco, conclui novo estudo agora publicado.

Publicado na revista da Associação norte-americana do Coração, "Circulation: Cardiovascular Genetics", o estudo conclui que o tabagismo pode afetar o genoma humano, através através da metilação - um processodo qual as células controlam a atividade dos genes.

A análise de quase 16 mil amostras de sangue de fumadores, ex-fumadores e não fumadores concluiu que o fumo de tabaco deixa um legado na superfície do ADN dos fumadores.

Stephanie J. London, uma das autoras, explica que os resultados mostram que mesmo depois de um indivíduo deixar de fumar, ainda se observam os efeitos do tabagismo no seu ADN.

"A notícia encorajadora é que, uma vez que se deixa de fumar, a maioria dos sinais de metilação voltam aos níveis de um não fumador após cinco anos, o que significa que o corpo está a tentar curar-se dos efeitos nocivos do consumo do tabaco", explica também Roby Joehenes, outro dos autores do estudo.

  • Rui Santos revela novos e-mails que envolvem o Benfica
    1:52

    Desporto

    No programa da SIC Notícias Tempo Extra, Rui Santos revelou esta terça-feira que um blogue associado ao Benfica partilhou informação privilegiada da APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol) com várias figuras do clube da Luz.

  • O último adeus às vítimas da tragédia de Vila Nova da Rainha
    1:37

    País

    As cerimónias fúnebres das oito vítimas mortais do incêndio na Associação de Vila Nova da Rainha realizaram-se esta terça-feira. Três delas ocorreram em simultâneo na povoação do concelho de Tondela que, no passado sábado, viu a tragédia bater-lhe à porta.

  • Fóssil humano mais antigo encontrado em Portugal entregue ao Museu de Arqueologia
    3:42

    País

    O mais antigo fóssil humano até hoje encontrado em Portugal, o "Crânio da Aroeira", foi entregue no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa. Em 2014, o fóssil foi encontrado pela equipa do arqueólogo João Zilhão perto de Torres Novas e foi restaurado e estudado na Universidade Complutense de Madrid, durante dois anos e meio.

  • De "lambe rabos" a "labrego", a polémica entre Rodolfo Reis e Bruno de Carvalho
    1:30
  • O Futuro Hoje na maior feira eletrónica de consumo do mundo
    5:14