sicnot

Perfil

Mundo

Governo colombiano e guerrilha das FARC formalizam hoje histórico acordo de paz

Reuters

A guerrilha colombiana das FARC, a mais poderosa da América Latina, assina hoje a paz com o Governo da Colômbia, pondo termo a várias tentativas fracassadas para terminar um conflito armado de 52 anos.

O desfecho deste capítulo da história da Colômbia acontece hoje em Cartagena das Índias (norte) com a assinatura formal de um acordo pelo Presidente Juan Manuel Santos e o "número um" das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Rodrigo Londoño, mais conhecido como Timoleón Jiménez "Timochenko".

Na sexta-feira, no final da Conferência nacional das FARC em El Diamante (sudeste), foi anunciado que "os guerrilheiros e guerrilheiras (...) exprimem o seu apoio unânime ao acordo final de Havana", um dos últimos passos para a sua legitimação.

O Presidente Juan Manuel Santos e Timoleón Jiménez "Timochenko" vão assinar formalmente na histórica cidade colombiana, banhada pelo mar das Caraíbas, o designado "Acordo final para o fim do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura", negociado em Cuba durante 45 meses e cinco dias e anunciado em 24 de agosto.

O acordo põe termo ao conflito armado com as FARC, uma guerrilha de inspiração marxista e com origem nas revoltas camponesas da década de 1960, que vai tornar-se num movimento político e disputar o voto popular nas próximas eleições.

O balanço da guerra civil no país, que desde 1964 envolveu guerrilhas de extrema-esquerda, paramilitares de extrema-direita, exército e grupos de narcotraficantes é pesado: 260.000 mortos, 45.000 desaparecidos e 6,9 milhões de deslocados.

O acordo, um documento de 297 páginas, apesar de assinalar o fim oficial do conflito armado, deixa ainda em aberto a complexa tarefa da aplicação efetiva, para que seja garantida uma paz efetiva.

Para além da sua concretização prática, o acordo terá ainda de ser ratificado pela população num plebiscito marcado para 2 de outubro e que para ser validado necessita da participação de mais de 13% dos eleitores, 4,5 milhões de pessoas.

Um desfecho que ainda não está garantido, também devido à forte oposição das forças conservadoras lideradas pelo ex-presidente Álvaro Uribe, que apostam numa votação equilibrada para deslegitimar o acordo de paz e impedir a sua aplicação.

Uma sondagem divulgada na sexta-feira indicou que a intenção de voto pelo "sim" desceu para 54%, um recuo de seis pontos percentuais face ao último estudo.

À pergunta "Apoia ou não apoia o acordo final para o fim do conflito e a construção da paz", conduzido por uma empresa de estudos de opinião, 54% respondeu "sim", 34% "não" e 12% não manifestou intenção de voto.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC