sicnot

Perfil

Mundo

Governo diz que Guterres é quem reúne mais apoio na corrida à ONU

O Governo português destacou esta segunda-feira que António Guterres "é consistentemente" o candidato a secretário-geral das Nações Unidas "com mais apoio", merecendo "um reconhecimento genérico das suas qualidades", após a vitória, hoje, na última votação da primeira fase.

"É claro que o engenheiro António Guterres é consistentemente o candidato que mais apoios tem obtido, isto é, o candidato em relação ao qual o reconhecimento das suas qualidades é genérico. Esse facto consolida a candidatura do engenheiro António Guterres. Temos de aguardar tranquilamente pelas próprias fases deste processo", disse hoje à Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

O ex-primeiro-ministro português António Guterres ficou à frente na quinta votação informal secreta realizada hoje pelos membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas para eleger o próximo secretário-geral da organização, disseram fontes diplomáticas à Lusa.

Guterres teve votos 12 votos "encoraja", dois "desencoraja" e "sem opinião", precisamente o mesmo resultado da última votação, que ocorreu a 09 de setembro.

A votação de hoje encerra o primeiro ciclo do processo de escolha do novo secretário-geral da ONU, já que na próxima votação, prevista para a primeira semana de outubro, serão diferenciados, com boletins de cores diferentes, os votos dos cinco membros permanentes (Estados Unidos, Rússia, França, Reino Unido e China, com poder de veto) e os restantes membros não permanentes do Conselho.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.