sicnot

Perfil

Mundo

Presidente do Peru afirma que fumar um charro "não é o fim do mundo"

O novo Presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, cujo país é o segundo maior produtor de cocaína, afirmou que fumar um charro "não é o fim do mundo", mas não vai legalizar o seu consumo.

"Acho que liberalizar (o uso de) drogas não é tão simples e o Peru sózinho não vai fazê-lo. Sou uma pessoa liberal, fumar um charro não é o fim do mundo, mas as drogas duras, isso é grave", disse Pedro Pablo Kuczynski, com 78 anos, em entrevista no domingo ao canal de televisão N.

O Presidente do Peru, de centro direita, que assumiu o cargo no final de julho, participou hoje na assinatura do acordo de paz na Colômbia entre o Governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), que fazia do tráfico de droga das suas principais fontes de rendimento.

"Vários presidentes latino-americanos têm apoiado a legalização, mas o que posso dizer é que os países onde o uso da droga é livre, como os Países Baixos, Portugal e Suíça têm problemas sérios", acrescentou.

O Peru é o segundo maior produtor de folha de coca e cocaína, depois da Colômbia, uma atividade estimada em cerca de 8,5 mil milhões de dólares (cerca de 7,5 mil milhões de euros) por ano.

O Uruguai decidiu, em dezembro de 2013, legalizar a produção, distribuição e consumo de cannabis.

Lusa

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07