sicnot

Perfil

Mundo

Zona leste de Alepo com 30 médicos para 250 mil habitantes

A zona leste da cidade de Alepo, sitiada desde julho pelas forças do regime e onde vivem 250.000 pessoas, incluindo 85.000 crianças, conta com apenas 30 médicos, disse esta segunda-feira o pediatra Abd Arrahman, representante da Associação Médica síria.

Entre os médicos sobreviventes existem apenas dois pediatras, além de quatro obstetras, os enfermeiros são escassos e falta material médico essencial para tratar os feridos dos ataques que se intensificaram na última semana.

Segundo Abd Arrahman, que falava perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, reunido em Genebra, nos últimos dias foram registados 280 mortos na área sitiada de Alepo e apenas no domingo registaram-se 400 feridos, entre os quais 61 crianças.

O médico adiantou que apenas oito hospitais continuam em funcionamento, metade dos quais parcialmente.

"Mais de metade dos médicos abandonaram a Síria desde que começou a guerra (abril de 2011) e o seu número em Alepo reduz-se cada vez mais", lamentou o pediatra, afirmando que há três meses havia 90 médicos a trabalhar na zona oriental da cidade.

"Existem médicos sírios dispostos a irem a Alepo para atenderem as pessoas, mas o cerco militar impede-os de o fazerem", disse ainda Abd Arrahman.

O pediatra indicou igualmente que "os ataques governamentais simultâneos contra vários hospitais na mesma cidade (...) impedem que os feridos possam receber cuidados".

"Em Alepo, o objetivo claro é destruir todo o sistema de saúde", disse o médico ativista, que conta com o apoio da Sociedade Médica Sírio-Americana e da organização não-governamental Médicos para os Direitos Humanos.

Face à imensidade das necessidades, a Sociedade Médica Sírio-Americana criou um centro para formação em enfermagem em Alepo, que também foi alvo de um bombardeamento o mês passado, referiu Mazen Kawara, representante da associação.

"Os hospitais e todos os lugares associados a eles converteram-se nos lugares mais perigosos da Síria", disse.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.