sicnot

Perfil

Mundo

Zona leste de Alepo com 30 médicos para 250 mil habitantes

A zona leste da cidade de Alepo, sitiada desde julho pelas forças do regime e onde vivem 250.000 pessoas, incluindo 85.000 crianças, conta com apenas 30 médicos, disse esta segunda-feira o pediatra Abd Arrahman, representante da Associação Médica síria.

Entre os médicos sobreviventes existem apenas dois pediatras, além de quatro obstetras, os enfermeiros são escassos e falta material médico essencial para tratar os feridos dos ataques que se intensificaram na última semana.

Segundo Abd Arrahman, que falava perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, reunido em Genebra, nos últimos dias foram registados 280 mortos na área sitiada de Alepo e apenas no domingo registaram-se 400 feridos, entre os quais 61 crianças.

O médico adiantou que apenas oito hospitais continuam em funcionamento, metade dos quais parcialmente.

"Mais de metade dos médicos abandonaram a Síria desde que começou a guerra (abril de 2011) e o seu número em Alepo reduz-se cada vez mais", lamentou o pediatra, afirmando que há três meses havia 90 médicos a trabalhar na zona oriental da cidade.

"Existem médicos sírios dispostos a irem a Alepo para atenderem as pessoas, mas o cerco militar impede-os de o fazerem", disse ainda Abd Arrahman.

O pediatra indicou igualmente que "os ataques governamentais simultâneos contra vários hospitais na mesma cidade (...) impedem que os feridos possam receber cuidados".

"Em Alepo, o objetivo claro é destruir todo o sistema de saúde", disse o médico ativista, que conta com o apoio da Sociedade Médica Sírio-Americana e da organização não-governamental Médicos para os Direitos Humanos.

Face à imensidade das necessidades, a Sociedade Médica Sírio-Americana criou um centro para formação em enfermagem em Alepo, que também foi alvo de um bombardeamento o mês passado, referiu Mazen Kawara, representante da associação.

"Os hospitais e todos os lugares associados a eles converteram-se nos lugares mais perigosos da Síria", disse.

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes. Os passageiros desembarcaram, como registou no Twitter um jornalista da Al-Jazzera que seguia a bordo. Segundo este depoimento, uma pessoa foi levada para o hospital com problemas cardíacos.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.