sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia denuncia tratamento degradante de refugiados na Hungria

Amnistia Internacional denuncia o tratamento desumano que é dado aos refugiados na Hungria e sobre as duras medidas anti-imigração tomadas pelo Governo conservador, dirigido por Viktor Orban.

© Francois Lenoir / Reuters

A Amnistia Internacional denunciou hoje que os refugiados que chegam à Hungria estão a ser submetidos a abusos e a um "tratamento degradante" pelas autoridades.


"Milhares de candidatos a asilo, incluindo menores sózinhos, estão a sofrer abusos violentos", assinalou esta organização não-governamental (ONG) de defesa dos direitos humanos, em relatório divulgado hoje.

Esta denúncia soma-se às outras que esta ONG tem feito nos últimos meses, sobre o tratamento desumano que é dado aos refugiados na Hungria e sobre as duras medidas anti-imigração tomadas pelo Governo conservador, dirigido por Viktor Orban.

Às redes de arame farpado nas suas fronteiras e às penas de prisão de até cinco anos por entrada ilegal no país, a Hungria somou em julho passado a expulsão para uma 'terra de ninguém', entre a Hungria e a Sérvia, a todos os migrantes irregulares que sejam detidos nos primeiros oito quilómetros de solo húngaro.

Ali, sem ajudas nem serviços básicos, devem esperar durante semanas e meses pelo despacho do seu pedido de asilo.

"Centenas de candidatos a asilo esperam na fronteira durante meses, em condições degradantes", destaca o documento da Amnistia, no qual é denunciado que candidatos a asilo se queixaram de ter sido agredidos, pontapeados e até perseguidos por cães.

"Quando cheguei pensava que a Hungria é Europa. Talvez viesse a ficar bem. Mas dei-me conta de que aqui odeiam-me", afirmou no relatório um cidadão afegão, não identificado pela ONG.

A Amnistia recorda que no próximo domingo vai ser realizado na Hungria um referendo sobre se o país deve aceitar ou recusar o sistema para realojar os refugiados em todos os países da União Europeia, o que é rejeitado por Orbán.

É esperada a vitória do "não" por uma margem expressiva, nesta consulta organizada pelo Governo, que relacionou migrações com terrorismo, durante a campanha.

A Amnistia Internacional classifica o referendo como sendo "tóxico" e o seu diretor para a Europa, John Dalhuisen, acusou Orbán de ter "substituído o Estado de Direito pelo Estado de Medo".

  • "Sobre este pântano, não é possível jogar futebol seriamente na próxima época"
    4:46

    Opinião

    David Borges esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, da SIC Notícias, onde analisou as acusações do FC Porto ao Benfica, no caso dos e-mails. O comentador da SIC disse que falta saber se "tudo é verdade" e se os documentos são verdadeiros, o que compete ao Ministério Público apurar. David Borges defendeu ainda que era "bom" que a investigação decorresse de forma rápida e profunda; e não acredita que perante a polémica, se consiga jogar "futebol seriamente", na próxima época.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.