sicnot

Perfil

Mundo

Justiça turca manda deter 121 membros de ONG ligada a Fethullah Gülen

Reuters

A procuradoria turca ordenou hoje a detenção de 121 membros da organização turca Kimse Yok Mu, conhecida pela sua proximidade ao predicador islamita Fethullah Gülen, que Ancara acusa de estar por detrás do golpe de Estado falhado de julho.

A ordem de detenção é dirigida contra 121 pessoas em 18 províncias, a maioria em Istambul, por pertencerem à "Organização Terrorista Fethullah Gülen (FETÖ)", nome que o Governo dá ao grupo, informou a agência Anadolu.

Kimse Yok Mu ("Não há ninguém?") é uma organização não-governamental (ONG) fundada em 2004 e na última década foi muito popular na Turquia, recebendo o apoio das cadeias de televisão dirigidas por seguidores de Gülen e também do Governo islamita, até 2013 aliado da organização de Gülen.

A ONG, que se apresentava oficialmente como "corpo caritativo do movimento Gülen", com o objetivo de "erradicar a pobreza no mundo", sem discriminação de etnia, fé ou cultura, foi encerrada pelo Governo a 23 de julho passado, dentro do estado de emergência decretado na sequência do golpe de Estado.

A sua página na Internet foi apagada.

Segundo o diário Hürriyet, as autoridades suspeitam que os dirigentes da ONG, nomeadamente o seu presidente, Ismail Çingöz, tenham saído da Turquia de forma ilegal.

  • Dois jovens atropelados mortalmente no concelho de Montemor-o-Velho
    2:20
  • Presidente de "O Sonho" suspeito de peculato e fraude
    2:26

    País

    O presidente das três instituições de solidariedade social de Setúbal - incluindo "O Sonho" -, que na sexta-feira foram alvo de buscas, foi constituído arguido. Florival Cardoso é, por enquanto, o único suspeito de peculato e fraude na obtenção de subsídios para as instituições.

  • Manifestação contra mina de urânio junta milhares em Salamanca
    1:39
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de armas da PSP, três recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avançou este sábado que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07