sicnot

Perfil

Mundo

Oposição teme que guerrilheiros das FARC imigrem para a Venezuela

A oposição venezuelana alertou esta terça-feira para a possibilidade de a guerrilha colombiana imigrar para território venezuelano, após a assinatura do acordo entre as subversivas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia e o Governo do Presidente Juan Manuel Santos.

"Desde a Mesa de Unidade Democrática (MUD - aliança opositora) fazemos um apelo para refletirem sobre as consequências que trará a assinatura do acordo. Celebramos o desmantelamento de mais um conflito, mas esperamos que não seja transladado para a Venezuela", disse o secretário -geral da MUD.

Jesus Chuo Torrealba vincou que as FARC são compostas por quase 15 mil pessoas, que durante toda a sua vida mataram, roubaram, sequestraram e traficaram drogas e que, "desse número, apenas poucas conseguirão incluir-se na sociedade (colombiana), após este acordo" de paz.

"Se essas pessoas não poderem continuar a cometer delitos na Colômbia, para onde vão? O mais seguro é que venham para cá, onde têm tido um Governo 'alcahueta' (encobridor), que lhes tem permitido entrar e sair quando querem e, além disso, ser os donos de várias zonas", disse aos jornalistas.

Segundo a MUD, o Governo do Presidente Nicolás Maduro deveria estar a ativar todos os mecanismos de segurança para proteger a Venezuela, mas, "em vez disso, o que existe é a segurança do Estado a perseguir os dirigentes políticos (da oposição)".

É frequente, na Venezuela, atribuírem a autoria de alguns sequestros de pessoas a militantes das FARC, do Exército de Libertação Nacional e outros grupos subversivos colombianos.

Alguns desses sequestros, segundo fontes não oficiais, ocorrem nas zonas e Estados próximos da fronteira colombo-venezuelana, como Táchira, Zúlia e Apure, mas também em Carabobo, Barquisimeto e em Cojedes (todos no centro do país) e em Caracas, a capital da Venezuela.

A Venezuela e a Colômbia partilham 2.219 quilómetros de fronteira bilateral.

A assinatura do acordo de paz, realizada na segunda-feira, põe fim a 52 anos de um conflito armado que provocou pelo menos 220.000 mortos e quase sete milhões de deslocados.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida