sicnot

Perfil

Mundo

Rei da noite de Madrid condenado a quatro anos de prisão

Reuters

O maior empresário da noite de Madrid foi hoje condenado a quatro anos de prisão pela morte de cinco jovens num acidente na sala de espetáculos "Madrid Arena" durante uma festa de Halloween em 12 de novembro de 2012.

O tribunal condenou Miguel Ángel Flores por cinco delitos de homicídio e 29 delitos de lesões por imprudência grave, considerando-o o "máximo responsável" dos acontecimentos.

As cinco jovens morreram na sequência de ferimentos depois de terem sido espezinhadas pela multidão que tentava sair do recinto da festa no Madrid Arena, um estádio coberto equipado para acolher uma festa de "Halloween" de grandes dimensões, e que estava sobrelotado.

O tribunal sublinha que a avalanche mortal foi possível pela "conduta gravemente imprudente de Miguel Ángel Flores, imprópria de um empresário experiente neste tipo de negócios" e que este "tentou conseguir a todo o momento o máximo benefício económico".

Os magistrados consideram que a morte das cinco jovens se deveu à sobrelotação do recinto estimada em 16.600 pessoas.

O tribunal também condenou a três anos de prisão por cinco delitos de homicídio por imprudência grave e lesões o coordenador de projetos do departamento de operações da empresa Madrid Espacios y Congresos, Francisco del Amo, e o diretor-geral da empresa Diviertt, Santiago Rogo, que promoveu o evento.

Miguel Ángel Flores era considerado o "rei da noite" madrilena, com a maior parte dos eventos noturnos a ser organizados pelas suas empresas.

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.