sicnot

Perfil

Mundo

TPI condena jihadista maliano a 9 anos por destruir mausoléus de Timbuktu

Reuters

Os juízes do Tribunal Penal Internacional (TPI) condenaram hoje a nove anos de prisão o jihadista maliano Ahmad al-Faqi al-Mahdi por ter destruído em 2012 mausoléus classificados como património mundial da humanidade em Timbuktu.

"O crime pelo qual foi reconhecido culpado é muito grave", afirmou o juiz Raul Pangalangan, adiantando: "o tribunal condena-o a nove anos de prisão".

Um pouco antes, os juízes tinham concluído que o acusado era culpado da destruição de mausoléus na cidade maliana de Timbuktu, tendo em conta "a sua participação direta em numerosos incidentes e o seu papel enquanto porta-voz para justificar os ataques nos meios de comunicação social".

O tuaregue Ahmad al-Faqi al-Mahdi, que ouviu a leitura do acórdão de modo concentrado, é acusado de crimes de guerra por ter "dirigido intencionalmente ataques" contra nove dos mausoléus de Timbuktu (norte do Mali) e contra a porta da mesquita Sidi Yahia entre 30 de junho e 11 de julho de 2012.

Depois de se ter declarado culpado na abertura do julgamento, Al-Mahdi pediu perdão ao seu povo, assegurando estar "cheio de remorsos".

Declarando estar na altura "sob a influência" de grupos 'jihadistas', apelou aos muçulmanos do mundo inteiro para resistirem a "este tipo de ações".

A procuradora afirma que o acusado, nascido em 1975, era um membro do Ansar Dine, um dos grupos terroristas ligados à Al-Qaida que controlaram o norte do Mali durante cerca de 10 meses em 2012, antes de serem perseguidos por uma intervenção internacional lançada em janeiro de 2013 pela França.

Enquanto chefe da Hisbah, a brigada islâmica dos costumes, Al-Mahdi ordenou e participou nos ataques visando acabar com as orações e rituais realizados junto aos mausoléus e contrários à lei islâmica.

De acordo com os seus advogados, o acusado é "um homem honesto" que a dado momento "caiu em erro".

A acusação tinha pedido entre nove e 11 anos de prisão e a defesa tinha-se comprometido a não recorrer se a sentença fosse equivalente à pena pedida.

Os juízes consideraram várias circunstâncias atenuantes como a sua admissão de culpabilidade, a sua cooperação, a sua empatia pelas vítimas e os seus remorsos.

Este foi o primeiro julgamento no TPI por destruição de bens culturais, sendo Al-Mahdi o primeiro extremista islâmico a ser julgado, o primeiro réu a considerar-se culpado num julgamento por crimes de guerra e o primeiro acusado no âmbito do conflito no Mali.

As personagens veneradas a que dizem respeito os mausoléus valem a Timbuktu a designação de "cidade dos 333 santos", reconhecidos como protetores da cidade e a quem se apela para proteger casamentos ou para pedir chuva, de acordo com especialistas malianos do islão.

A UNESCO já restaurou os túmulos destruídos e os peritos e as Nações Unidas esperam que o julgamento "acabe com a impunidade" face à destruição de bens culturais.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.