sicnot

Perfil

Mundo

Búlgara Kristalina Georgieva entra na corrida à ONU

reuters

António Guterres tem uma nova adversária de peso. A Bulgária mudou a sua candidata ao cargo de secretário-geral da ONU, substituindo Irina Bokova pela atual vice-presidente da União Europeia.

Kristalina Georgieva, candidata apoiada pela chanceler alemã, Angela Merkel, é considerada a mais difícil adversária do ex-primeiro-ministro português António Guterres na corrida à liderança das Nações Unidas.

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro búlgaro Boiko Borissov hoje em Sofia.

"Nós acreditamos que é uma candidatura de sucesso", disse o chefe do governo de centro-direita aos jornalistas na capital búlgara referindo-se a Kristalina Georgieva.

O nome de Irina Bokova tinha sido proposto pelos socialistas da Bulgária.

Guterres venceu destacado as cinco primeiras votações no Conselho de Segurança da ONU, que aconteceram a 21 de julho, 5 de agosto, 29 de agosto, 09 de setembro e 26 de setembro, mas a eleição poderá tornar-se renhida a partir de agora.

Guterres teve 12 votos "encoraja", dois "desencoraja" e um "sem opinião", precisamente o mesmo resultado da última votação.

Em segundo lugar, ficou o sérvio Vuk Jeremic, mas com apenas oito votos de encorajamento, seis "desencoraja" e um "sem opinião.

A próxima votação, prevista para 5 de outubro, é mais importante devido à possibilidade de veto dos membros permanentes do Conselho de Segurança (Estados Unidos, Rússia, França, Reino Unido e China) a qualquer candidato, incluindo Guterres.

O nome do próximo secretário-geral da ONU deverá ser anunciado durante o próximo mês e a decisão do Conselho será, em seguida, ratificada pela Assembleia-geral das Nações Unidas.

O executivo búlgaro admitiu, antes da quinta votação no Conselho de Segurança, mudar a sua candidata, se Bokova não lograsse alcançar o primeiro ou segundo lugar no escrutínio da passada segunda-feira.

Bokova ficou em sexto lugar na votação ganha, mais uma vez, por Guterres, mas ainda assim disse não ver "qualquer razão séria" para desistir da candidatura.

Acabou por ser o executivo de Sófia a deixá-la cair, na sequência da estratégia admitida antes da quinta votação, substituindo Bokova por Georgieva, que classificou de "candidatura de sucesso".

Na escolha do sucessor de Ki-Moon há que contar com movimentos em favor da eleição alguém vindo da Europa de Leste, mas também de uma mulher, o que seria inédito na instituição, após os oito homens que já ocuparam o cargo.

Na escolha do líder da ONU, assim que um candidato reunir nove votos entre os 15 países membros e aprovação de todos os membros permanentes - China, França, Reino Unido, Rússia e Estados Unidos - o conselho recomendará o seu nome para aprovação pela Assembleia-Geral da ONU, que reúne representantes de 193 países.

A organização espera encontrar durante este outono o sucessor de Ban Ki-moon, que termina o seu segundo mandato no final do ano.

Neste momento, o lugar de secretário-geral da ONU é disputado por 9 candidatos, quatro deles mulheres.

Com Lusa

  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.

  • Inspetores do SEF cansados das promessas do Governo
    1:00

    País

    O sindicato do SEF garante que a segurança contra o terrorismo vai ser assegurada na greve de quinta-feira e sexta-feira nos aeroportos. Acácio Pereira, do sindicato, diz que os inspetores são quase escravos e que estão fartos das promessas do Governo. A greve deverá afetar cerca de 30 mil pessoas. 

  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".