sicnot

Perfil

Mundo

Congresso elimina veto de Obama a processos à Arábia Saudita pelo 11 de setembro

O Congresso dos EUA aprovou esta quarta-feira, por larga maioria, a rejeição de um veto do Presidente Barack Obama de uma lei que autorizava os familiares das vítimas do 11 de setembro a processarem a Arábia Saudita.

Esta foi a primeira vez que um veto de Obama foi rejeitado no congresso.

Os membros da Câmara dos Representantes aprovaram, por 348 votos contra 77, a rejeição do veto, pouco depois de um voto similar do Senado.

Na sexta-feira, Obama tinha vetado a lei que autorizava aqueles processos visando a Arábia Saudita, um aliado dos EUA, cuja implicação naqueles atentados nunca foi demonstrada.

Quinze dos 19 autores dos atentados, que fizeram mais de três mil mortos em 2001, eram cidadãos sauditas.

Desde a sua chegada ao poder em 2009, Barack Obama usou o seu direito de veto por 112 vezes, mas a maioria de dois terços no Congresso necessária para os rejeitar nunca tinha sido conseguida.

No Senado, este raro voto bipartidário foi ainda mais acentuado, com 97 senadores, em 100, a votarem a rejeição do veto, contra apenas um, o de Harry Reid, que chefia a minoria democrata na câmara alta.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, saudou a "coragem" deste senador e retomou os argumentos de segurança usados por Obama para justificar o seu veto.

"Esta foi talvez a decisão mais embaraçante que o Senado dos EUA alguma vez tomou desde 1983", considerou, a propósito deste voto de hoje.

"O facto de os membros do Senado norte-americano só trem sido informados há pouco tempo do impacto negativo desta proposta de lei, para os nossos militares e diplomatas é em si embaraçante", acrescentou.

A Casa Branca tinha estimado que o texto enfraquecia o princípio de imunidade que protege os Estados (e os seus diplomatas) de processos judiciais e poderia criar o risco, por um efeito boomerang, expor os EUA a processos em vários tribunais pelo mundo.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.