sicnot

Perfil

Mundo

Hollande destaca um dos "mais fervorosos defensores da paz"

reuters

O Presidente francês, François Hollande, disse que o antigo chefe de Estado israelita Shimon Peres, que morreu hoje aos 93 anos, foi um dos "mais fervorosos defensores da paz" e um "fiel amigo" da França.

"Shimon Peres pertence agora à História, que foi a companheira da sua longa vida", escreveu Hollande, num comunicado.

"Com o desaparecimento de Shimon Peres, Israel perde um dos seus mais ilustres estadistas, a paz [perde] um dos seus mais fervorosos defensores e a França um amigo fiel", sublinhou Hollande, que se reuniu com o Nobel da Paz pela última vez a 25 de março.

"Eu pude ver (...) que a força da sua convicção estava intacta", indicou o chefe de Estado francês.

"Membro de inúmeros Governos, primeiro-ministro por várias vezes e finalmente Presidente, de 2007 a 2014, Shimon Peres era Israel aos olhos do mundo", realçou.

O Nobel da Paz morreu hoje, aos 93 anos, por volta das 03:00 (01:00 em Lisboa), aproximadamente duas semanas depois de ter sofrido um acidente vascular cerebral (AVC) que o deixou hospitalizado desde então.

Peres era o último sobrevivente da geração dos "pais fundadores" de Israel e foi um dos principais artesãos dos acordos de Oslo, assinados com os palestinianos em 1990, o que lhe valeu a atribuição do Nobel da Paz em 1994.

o estadista ocupou quase todos os mais importantes cargos políticos em Israel: foi ministro de várias pastas em diversos governos, primeiro-ministro interino, primeiro-ministro e Presidente (2007-2014).

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.