sicnot

Perfil

Mundo

Morte de negro desarmado provoca manifestação em San Diego

Uma manifestação percorreu quarta-feira os arredores de San Diego, no Estado da Califórnia, no sudoeste dos EUA, depois da morte de um homem negro desarmado, que foi morto pela polícia.

O homem, que sofreria de perturbações mentais, foi identificado por um familiar como sendo Alfred Olango, com 30 anos, nascido no Uganda.

O incidente ocorreu na noite de terça para quarta-feira em El Cajon, depois de a polícia ter recebido uma chamada telefónica, descrevendo um homem com um comportamento errático que deambulava no meio da circulação rodoviária.

Segundo o chefe da polícia local, Jeff Davis, Olango ignorou as ordens dos agentes que lhe diziam para tirar a mão do bolso. Um deles utilizou um 'taser', arma que envia descargas elétricas, mas outro disparou com a sua arma.

"Num dado momento, o sujeito tirou rapidamente um objeto do bolso da frente das suas calças, juntou as mãos e estendeu-as rapidamente em direção dos agentes, assumindo o que parecia ser uma posição de tiro", avançou Davis, em comunicado.

"O agente com arma elétrica disparou então", acrescentou, "e, ao mesmo tempo, o outro disparou várias vezes a arma de fogo, atingindo o sujeito".

Este incidente ocorreu em contexto racial tenso nos EUA e quando se realizaram outras manifestações, designadamente em Charlotte, no Estado da Carolina do Norte, no sudeste, para protestar conta a morte de negros abatidos pelas forças da ordem.

A manifestação decorreu, sob a insígnia Justiça para Alfred Olango, frente ao posto da polícia de El Cajon.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.