sicnot

Perfil

Mundo

ONG querem que Georgieva se submeta ao mesmo escrutínio que outros candidatos

Cerca de 750 organizações não governamentais (ONG) de todo o mundo, que se reúnem na campanha "1 for 7 Billion", querem que a nova candidata a secretário-geral da ONU, Kristalina Georgieva, se submeta ao mesmo escrutínio que os outros candidatos.

"É importante para a legitimidade da ONU e do cargo de secretário-geral que qualquer pessoa que o venha a ocupar tenha passado pelo processo de seleção acordado pelos países-membros e que interaja com os seus constituintes mais importantes: os sete mil milhões de pessoas no mundo", disse à Lusa a cofundadora da "1 for 7 Billion" Natalie Samarasinghe.

O nome de Kristalina Georgieva, candidata que terá o apoio da chanceler alemã, Angela Merkel, foi anunciado hoje pelo primeiro-ministro búlgaro.

A vice-presidente da Comissão Europeia é agora considerada a mais difícil adversária do ex-primeiro-ministro português António Guterres, que venceu as primeiras cinco votações.

A responsável da "1 for 7 Billion", que foi constituída com o propósito de que o melhor candidato para o cargo seja escolhido, diz que "foi sempre pedido que todos os interessados se candidatassem atempadamente."

"Acreditámos que isto apoiaria uma maior transparência do processo, permitiria mais interação com o público e daria ao candidato vencedor tempo para se preparar para este difícil trabalho", explicou.

A "1 for 7 Billion" (1 por 7 mil milhões), que reúne diferentes organizações, como a Amnistia Internacional ou Federação das Associações de Comércio Internacional (FITA), e personalidades como o antigo secretário-geral da ONU Kofi Annan, foi uma das vozes mais influentes na exigência de maior transparência na eleição para secretário-geral.

Este ano, pela primeira vez, os candidatos apresentaram a sua visão para o cargo em cerimónias públicas, responderam a perguntas da Assembleia Geral e da sociedade civil e participaram em debates com os outros concorrentes.

"Com notícias de um novo candidato, a nossa preocupação é pedir para que passe pelo processo que foi implementado, o que deve incluir um diálogo na Assembleia Geral. Também acreditamos que deve interagir com a imprensa e com a sociedade civil como fizeram outros candidatos, com diversos graus de envolvimento", explicou Samarasinghe.

A responsável notou que "António Guterres, por exemplo, foi um dos sete candidatos que participou nos debates do Reino Unido", quando outros cinco candidatos estiveram ausentes.

O nome de Georgieva já tinha sido avançado durante a primavera e foi depois recuperado em agosto e em setembro, depois de outra búlgara, Irina Bokova, não conseguir um bom resultado nas primeiras rondas de votações.

Há duas semanas, o primeiro-ministro búlgaro disse que reconsideraria o apoio à líder da UNESCO depois de conhecidos os resultados da votação de 26 de setembro.

Nessa ronda, em que António Guterres tornou a ser o vencedor, Bokova não foi além do quinto lugar, tendo perdido apoios, o que terá motivado a decisão do líder búlgaro.

A próxima votação, em que pela primeira vez serão destacados os vetos dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança, está agendada para 5 de outubro.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.