sicnot

Perfil

Mundo

Português esteve raptado durante três dias em Luanda

Um português de 50 anos esteve três dias raptado em Luanda, juntamente com um cabo-verdiano, com os sequestradores a usarem violência e a pedirem à família um resgate de três milhões de dólares, anunciou a polícia angolana esta quarta-feira.

A Polícia Nacional de Angola apresentou hoje aos jornalistas, no comando de Luanda, os três suspeitos, dois de nacionalidade nigeriana e um da República Democrática do Congo, detidos na operação especial de resgate desencadeada no dia 23 de setembro.

De acordo com a polícia, os três homens, em situação ilegal em Angola e com idades entre os 32 e os 42 anos, foram os autores de outros cinco raptos de estrangeiros ocorridos em Luanda em março passado.

"Foi pedido um resgate, várias vezes, mas foi tudo coordenado para que isso não acontecesse. Em alguns momentos houve até um tratamento violento, mas foi possível às pessoas que estavam lá aguentar e agora estão sãos e salvos", disse hoje aos jornalistas o diretor provincial da Investigação criminal de Luanda, Amaro Neto.

O português, administrador da empresa SIAP, foi raptado no município de Belas (Talatona), arredores de Luanda, pelas 21:00 do dia 20 de setembro. O cidadão cabo-verdiano - também com nacionalidade indiana -, comerciante de 44 anos, estava "em cativeiro" desde 19 de setembro, quando foi raptado em Viana, também nos arredores da capital angolana.

"Começou com três milhões [de dólares, de pedido de resgate], depois passou para dois milhões e depois para um milhão. Mas qualquer um desses valores não foi entregue", garantiu o responsável pela investigação criminal de Luanda.

Ambos foram libertados a 23 de setembro numa operação autorizada "ao mais alto nível", no sul de Luanda, onde os dois estrangeiros estavam retidos e que envolveu várias forças de polícia.

Segundo Amaro Neto, os raptores foram "surpreendidos" pela dimensão da intervenção policial e não ofereceram resistência, apesar de os investigadores terem apreendido na posse dos suspeitos cinco espingardas automáticas AKM e 15 carregadores com munições.

Foram apreendidas igualmente três viaturas, inclusive um táxi de transporte informal de passageiro, alegadamente utilizado para realizar os raptos, além de 10 milhões de kwanzas (54 mil de euros) em dinheiro.

Lusa

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.