sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Catalunha quer novo referendo sobre independência

O presidente do Governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, anunciou esta quarta-feira, em Barcelona, que tenciona convocar um referendo sobre a independência da Catalunha em setembro de 2017, com ou sem aval do Estado espanhol.

"Nós tentaremos obter o acordo [de Madrid] até ao fim", declarou Puigdemont citado pela Efe, acrescentando que "na ausência de uma resposta positiva", os catalães "estarão prontos para uma convocação durante a segunda quinzena de setembro do próximo ano".

O presidente da comunidade autónoma da Catalunha ("Generalitat") fez estas declarações no parlamento regional, no primeiro dia do debate sobre a moção de confiança ao seu governo.

Os partidos que lutam pela independência da Catalunha aprovaram em meados do corrente ano um plano para alcançar a independência da Comunidade Autónoma da Catalunha, depois de ganharem em eleições regionais realizadas em 2016, mas desde então têm-se mostrado muito divididos por razões ideológicas.

A coligação pró-independência que governa a Catalunha desfez-se em junho último quando o seu partido mais radical, a CUP (Candidatura de Unidade Popular, de extrema esquerda), recusou apoiar o orçamento regional para 2016, o que obrigou Carles Puigdemont a pedir um "voto de confiança" que será votado na quinta-feira.

A CUP tem dito que defende a formação novamente da coligação pró-independentista e que iria mesmo apoiar Puigdemont, mas que isso seria possível apenas em troca da organização de um referendo do tipo daquele que foi realizado na Escócia (Reino Unido) no ano passado.

Lusa

  • Artur Mas rejeita acusações de desobediência por ter apoiado referendo à independência da Catalunha
    0:35

    Mundo

    O presidente do Governo regional da Catalunha foi hoje ouvido em tribunal. Artur Mas é acusado dos crime de desobediência, abuso de autoridade e de usurpar a autoridade por ter organizado um referendo sobre a independência na região no ano passado. Milhares de pessoas apoiaram o governante à chegada e à saída do Supremo tribunal da Catalunha, em Barcelona. Muitos tinham bandeiras da região e gritavam "Independência" à medida que Mas percorria os últimos metros até chegar ao tribunal. A acusação diz que o presidente do governo da Catalunha apoiou e organizou um referendo que viola a Constituição espanhola. Artur Mas garante que nada fez que viole a lei espanhola, mas admite que apoiou a iniciativa.

  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.