sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia considera anulação do julgamento do massacre de Carandiru um golpe aos direitos humanos

A Amnistia Internacional qualificou esta quinta-feira de "duro golpe" nos direitos humanos a decisão judicial de anular o julgamento de 73 policiais envolvidos no massacre de Carandiru, que provocou a morte a 111 detidos, em 1992.

"A decisão representa um duro golpe na Justiça e nos direitos humanos", denunciou, em comunicado, a organização internacional.

A decisão tribunal foi tomada a pedido da defesa dos agentes, que solicitava a anulação do julgamento e a absolvição dos arguidos, mas o Ministério Público determinou apenas a anulação dos júris, logo, os polícias terão direito a um novo júri.

"O facto de 111 prisioneiros terem sido mortos e 24 anos depois ninguém ter sido responsabilizado não só é chocantes, como dá uma má imagem sobre a situação dos direitos humanos no Brasil", disse o diretor da Amnistia Internacional no Brasil, Atila Roque.

O massacre da prisão de Carandiru tornou-se no emblema da impunidade judicial no Brasil, porque até agora nenhum dos alegados autores dos crimes foi preso.

A 02 de outubro de 1992, a polícia reprimiu com extrema violência um motim na maior e sobrelotada prisão do Brasil, onde estavam cerca de 8.000 pessoas.

Lusa

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.