sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia considera anulação do julgamento do massacre de Carandiru um golpe aos direitos humanos

A Amnistia Internacional qualificou esta quinta-feira de "duro golpe" nos direitos humanos a decisão judicial de anular o julgamento de 73 policiais envolvidos no massacre de Carandiru, que provocou a morte a 111 detidos, em 1992.

"A decisão representa um duro golpe na Justiça e nos direitos humanos", denunciou, em comunicado, a organização internacional.

A decisão tribunal foi tomada a pedido da defesa dos agentes, que solicitava a anulação do julgamento e a absolvição dos arguidos, mas o Ministério Público determinou apenas a anulação dos júris, logo, os polícias terão direito a um novo júri.

"O facto de 111 prisioneiros terem sido mortos e 24 anos depois ninguém ter sido responsabilizado não só é chocantes, como dá uma má imagem sobre a situação dos direitos humanos no Brasil", disse o diretor da Amnistia Internacional no Brasil, Atila Roque.

O massacre da prisão de Carandiru tornou-se no emblema da impunidade judicial no Brasil, porque até agora nenhum dos alegados autores dos crimes foi preso.

A 02 de outubro de 1992, a polícia reprimiu com extrema violência um motim na maior e sobrelotada prisão do Brasil, onde estavam cerca de 8.000 pessoas.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57