sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia considera anulação do julgamento do massacre de Carandiru um golpe aos direitos humanos

A Amnistia Internacional qualificou esta quinta-feira de "duro golpe" nos direitos humanos a decisão judicial de anular o julgamento de 73 policiais envolvidos no massacre de Carandiru, que provocou a morte a 111 detidos, em 1992.

"A decisão representa um duro golpe na Justiça e nos direitos humanos", denunciou, em comunicado, a organização internacional.

A decisão tribunal foi tomada a pedido da defesa dos agentes, que solicitava a anulação do julgamento e a absolvição dos arguidos, mas o Ministério Público determinou apenas a anulação dos júris, logo, os polícias terão direito a um novo júri.

"O facto de 111 prisioneiros terem sido mortos e 24 anos depois ninguém ter sido responsabilizado não só é chocantes, como dá uma má imagem sobre a situação dos direitos humanos no Brasil", disse o diretor da Amnistia Internacional no Brasil, Atila Roque.

O massacre da prisão de Carandiru tornou-se no emblema da impunidade judicial no Brasil, porque até agora nenhum dos alegados autores dos crimes foi preso.

A 02 de outubro de 1992, a polícia reprimiu com extrema violência um motim na maior e sobrelotada prisão do Brasil, onde estavam cerca de 8.000 pessoas.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.