sicnot

Perfil

Mundo

Arábia Saudita apela aos EUA para que revogue legislação sobre os atentados do 11 de setembro

​O governo saudita apelou hoje ao congresso dos EUA para que atue de forma a parar "as consequências desastrosas" da lei anti-saudita sobre os atentados de 11 de setembro de 2001.

Esta lei é "uma fonte de grande inquietação", declarou um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros saudita que, citado pela agência noticiosa oficial saudita, SPA, convidou ""o Congresso norte-americano a tomar as medidas necessárias para acabar com as consequências desastrosas e perigosas" da lei sobre as relações entre os dois Estados.

Na quarta-feira, o Congresso dos EUA rejeitou por grande maioria um veto do Presidente Barack Obama a uma lei que autoriza os familiares das vítimas dos atentados do 11 de setembro a processarem a Arábia Saudita.

Esta lei "enfraquece a imunidade dos Estados", uma situação que "vai ter um impacto negativo sobre todos os Estados, incluindo os EUA", preveniu o porta-voz saudita, sublinhando a oposição do governo do Presidente Obama ao texto.

O documento recolheu "a oposição de vários Estados", acrescentou o porta-voz saudita, esperando que "a sabedoria prevaleça".

A Arábia Saudita, que sente o voto hostil do Congresso como "uma facada nas costas", poderia ripostar reduzindo a sua cooperação com os EUA, designadamente no contraterrorismo, segundo alguns analistas.

Lusa

  • Resgate de mais de 300 migrantes no Mediterrâneo
    2:08
  • 10 Minutos com Eurico Reis
    11:20

    10 Minutos

    Há quatro meses que Portugal é um dos poucos países europeus onde é possível recorrer à gestação de substituição. E há já um casal que teve luz verde para começar os tratamentos. Para um balanço, foi nosso convidado Eurico Reis, juiz desembargador e presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, a entidade que autoriza os processos de gestação de substituição.

    Entrevista completa

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01