sicnot

Perfil

Mundo

EUA e Alemanha criticam russos e sírios pelos ataques em Alepo

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a chanceler alemã, Angela Merkel, condenaram na quinta-feira os "bárbaros" bombardeamentos perpetrados pelas forças russas e sírias na parte rebelde da cidade de Alepo, Síria.

"O Presidente e a chanceler condenaram os bárbaros raides dos russos e do regime sírio no leste de Alepo, uma zona onde habitam centenas de milhares de civis, maioritariamente crianças", indicou, em comunicado, a Casa Branca, depois de uma conversa telefónica entre os dois dirigentes.

Para Barack Obama e Angela Merkel, a Rússia e o regime sírio "têm uma responsabilidade especial para pôr fim aos combates na Síria e dar à ONU o acesso humanitário às áreas sitiadas e de difícil acesso no país".

Apesar dos apelos provenientes de todos os lados para se acabar com os bombardeamentos em Alepo, a Rússia não manifestou qualquer intenção de fazer parar o conflito, apesar da catástrofe humana em curso na cidade.

A guerra na Síria, com início em 2011, já provocou mais de 300.000 mortos.

Lusa

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.