sicnot

Perfil

Mundo

Homem abatido pela polícia na Califórnia apontou cigarro eletrónico aos agentes

© Reuters

O objeto que o homem abatido na terça-feira pela polícia em El Cajon, na Califórnia, Estados Unidos, apontou aos agentes foi um cigarro eletrónico, informaram esta quinta-feira as autoridades.

"O vaporizador tem um cilindro prateado de 2,5 centímetros de diâmetro e 7,5 de comprimento", explicou a polícia, em comunicado, ao referir-se ao objeto apontado pelo homem antes de ser abatido.

No momento em que o homem juntou as duas mãos, colocando-as numa aparente posição de tiro, os dois agentes dispararam: um com um taser, pistola que envia descargas elétricas, e outro com a sua arma de fogo.

O homem abatido foi identificado como Alfred Okwera Olango, de 38 anos, oriundo do Uganda.

A polícia difundiu uma fotografia, do momento em que Olango apontou o objeto a um dos agentes, extraída de um vídeo amador que não pretende tornar público.

Na quarta-feira, pelo segundo dia consecutivo, dezenas de pessoas protestaram em El Cajon por causa da morte de Olango, para pedir que esse vídeo, atualmente na posse da polícia, seja divulgado e para reivindicar uma investigação independente ao caso.

Este incidente ocorreu em contexto de crescente tensão racial nos Estados Unidos e quando se realizaram outras manifestações, designadamente em Charlotte, no Estado da Carolina do Norte, no sudeste, para protestar conta a morte de negros abatidos pelas forças da ordem.

Lusa

  • Polícia dos EUA mata mais um afroamericano

    Mundo

    A polícia matou esta terça-feira mais um afroamericano em San Diego, nos Estados Unidos da América. Um tiroteio que acontece dias depois das mortes de outros cidadãos afroamericanos em Charlotte e em Oklahoma, alvejados pela polícia, e que têm motivado muitos protestos.

  • Levantado recolher obrigatório em Charlotte, EUA

    Mundo

    As autoridades de Charlotte, nos Estados Unidos da América, levantaram no domingo o recolher obrigatório decretado na sequência de violentas manifestações naquela cidade do estado da Carolina do Norte desencadeadas pela morte de um afroamericano às mãos da polícia.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.