sicnot

Perfil

Mundo

Homem herdou dos primatas violência contra a própria espécie

Rob Griffith/ AP

Os seres humanos herdaram dos antepassados primatas a tendência para se matarem uns aos outros, revela um novo estudo. E apesar das notícias que diariamente são dadas sobre assassínios, o Homem nem é o mamífero que mais mata os da sua espécie.

A teoria vigente é a de que os seres humanos são violentos por natureza, mas um novo estudo vem afirmar que a tendência para se matarem uns aos outros é herdada dos primatas.

Os cientistas da Estación Experimental de Zonas Áridas e Universidade de Granada em Espanha compilaram dados sobre a morte de cerca de 4 milhões de mamíferos, pertencentes a 1024 espécies, incluindo 600 diferentes populações humanas que viveram nos últimos 50 mil anos.

Na origem da nossa espécie, os seres humanos matavam seis vezes mais os seus semelhantes que a média dos mamíferos. A taxa subiu gradualmente até chegar ao pico de 12%, na Idade Média, caindo nos séculos seguintes. Atualmente somos menos violentos que no nosso passado pré-histórico.

Nem todos os mamíferos são violentos. O estudo mostra que cerca de 40% das 1024 espécies de mamíferos analisadas é que matam os seus semelhantes - e aqui os primatas são dos mais violentos.

"Enquanto 0,3% das mortes de mamíferos são causadas por elementos da mesma espécie, essa percentagem sobe para 2,3% no ancestral comum dos primatas". É esta a nossa herança.

Mas o ser humano ultrapassou este legado da evolução - sobretudo devido à organização em sociedade, às leis, a atitudes culturais que rejeitam a violência.

© Rebecca Naden / Reuters

O mamífero mais mortífero é...

No final das contas, os humanos nem estão do "top 5 dos mais mortíferos". Nem estão também aqueles mamíferos que associamos a violência, como os leões ou os lobos.

O mamífero que mais mata o seu semelhante é a suricata - uma em cada cinco é morta por outro membro da sua espécie.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.