sicnot

Perfil

Mundo

Rússia diz que mantém bombardeamentos na Síria apesar de apelos dos EUA

© Abdalrhman Ismail / Reuters

A Rússia anunciou hoje que vai continuar com os bombardeamentos na Síria, apesar dos apelos dos Estados Unidos para que suspenda os ataques a Alepo.

"Moscovo prossegue a sua operação aérea de apoio à luta antiterrorista das Forças Armadas sírias", disse aos jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

"Tomámos infelizmente nota do caráter não construtivo da retórica de Washington nos últimos dias", acrescentou.

Na quarta-feira, o chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry, disse que os Estados Unidos deixarão de cooperar com a Rússia na Síria se Moscovo não suspender os bombardeamentos contra a cidade de Alepo (norte).

No mesmo dia, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, considerou que o bombardeamento dos dois principais hospitais daquela cidade constitui "crime de guerra", e o chefe da diplomacia francesa, Jean-Marc Ayrault, anunciou ter proposto à ONU uma resolução para um cessar-fogo.

"Moscovo mantém o seu interesse na cooperação com Washington tanto para a aplicação dos acordos como para aumentar a eficácia da luta contra o terrorismo na Síria", disse Peskov.

"Mas Moscovo também espera que as obrigações que Washington aceitou assumir serão respeitadas. Até ao momento, não foram", acrescentou.

Os Estados Unidos e a Rússia lideram os esforços internacionais para pôr termo à guerra iniciada na Síria há cinco anos e, a 9 de setembro, acordaram num cessar-fogo, ao abrigo do qual Moscovo devia obter de Bashar al-Assad o fim dos bombardeamentos contra civis e Washington pressionar os rebeldes a distanciar-se dos 'jihadistas'.

O cessar-fogo não perdurou, com acusações mútuas de responsabilidade.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.