sicnot

Perfil

Mundo

Colombianos votam no domingo sobre acordo de paz histórico

© Reuters

Os colombianos vão às urnas no domingo para se pronunciarem sobre o histórico acordo de paz com os guerrilheiros das FARC, num plebiscito que pode pôr um fim definitivo a 52 anos de conflito armado.

A consulta aos eleitores foi promovida pelo presidente colombiano, Juan Manuel Santos, argumentando que devem ser os colombianos a ter "a última palavra" neste processo.

O histórico acordo, assinado na segunda-feira em Cartagena por Juan Manuel Santos e pelo comandante supremo das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Rodrigo Londoño, prevê, entre mais de 150 pontos, prazos e locais para o desarmamento das guerrilhas.

"O que estamos a assinar aqui é uma declaração do povo colombiano perante o mundo em como estamos cansados de guerra (...) em como não aceitamos a violência como um meio de defendermos as nossas ideias", declarou na altura Juan Manuel Santos, enquanto Londoño, conhecido pela alcunha "Timochenko", deixou a garantia que o seu movimento vai continuar a fazer política, mas sem armas.

Apesar de a constituição colombiana não exigir uma consulta ao eleitorado colombiano, o Presidente insistiu num plebiscito, que classificou como "provavelmente a decisão de voto mais importante que cada um dos colombianos terá de tomar em toda a sua vida".

No domingo, os colombianos terão de responder "sim" ou "não" à seguinte pergunta: "Apoia o acordo final para o fim do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura?".

Para que o acordo de paz seja aprovado pelos eleitores, a opção "sim" terá de obter pelo menos 13,5% dos recenseados, ou seja um mínimo de 4.536.992 votos.

Nas eleições presidenciais de 2014, Juan Manuel Santos foi reeleito com 7.836.987 votos contra os 7.029.845 de Óscar Iván Zuluaga, o candidato do partido Centro Democrático, que defende o "não" nesta consulta.

Em junho, Juan Manuel Santos defendeu a opção de um plebiscito e não de um referendo, afirmando que, entre outras razões mais técnicas, este plebiscito apenas precisa do "sim" de 13,5% dos recenseados, enquanto o outro tipo de consulta exige 25% do eleitorado.

O ex-presidente Álvaro Uribe (e o seu partido, o Centro Democrático) considera a consulta "ilegítima", precisamente porque, ao aprová-la, o Congresso colombiano fixou o limite mínimo em 13,5% dos eleitores e não os 50% mais um dos votantes, como é habitual neste tipo de consultas. Líder da campanha pelo "Não", Uribe argumenta que aprovar o acordo dará "total impunidade" às FARC.

Até ao momento nenhuma das sondagens de intenção de voto é favorável ao "não", que previsivelmente alcança entre 34 e 38% do eleitorado, contra os 54 a 62% do "Sim".

As FARC realizaram na semana passada uma conferência na qual foi formalmente aprovado o acordo de 297 páginas com o Governo colombiano, bem como uma moção para depor as armas e outra para converter o movimento num partido político.

Segundo um relatório publicado em 2013 pelo Centro Nacional de Memória Histórica, o conflito na Colômbia causou pelo menos 220 mil mortos, 5,7 milhões de deslocados, 25 mil desaparecidos e 27 mil sequestrados, crimes em grande parte cometidos pelas FARC.

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.