sicnot

Perfil

Mundo

Colombianos votam no domingo sobre acordo de paz histórico

© Reuters

Os colombianos vão às urnas no domingo para se pronunciarem sobre o histórico acordo de paz com os guerrilheiros das FARC, num plebiscito que pode pôr um fim definitivo a 52 anos de conflito armado.

A consulta aos eleitores foi promovida pelo presidente colombiano, Juan Manuel Santos, argumentando que devem ser os colombianos a ter "a última palavra" neste processo.

O histórico acordo, assinado na segunda-feira em Cartagena por Juan Manuel Santos e pelo comandante supremo das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Rodrigo Londoño, prevê, entre mais de 150 pontos, prazos e locais para o desarmamento das guerrilhas.

"O que estamos a assinar aqui é uma declaração do povo colombiano perante o mundo em como estamos cansados de guerra (...) em como não aceitamos a violência como um meio de defendermos as nossas ideias", declarou na altura Juan Manuel Santos, enquanto Londoño, conhecido pela alcunha "Timochenko", deixou a garantia que o seu movimento vai continuar a fazer política, mas sem armas.

Apesar de a constituição colombiana não exigir uma consulta ao eleitorado colombiano, o Presidente insistiu num plebiscito, que classificou como "provavelmente a decisão de voto mais importante que cada um dos colombianos terá de tomar em toda a sua vida".

No domingo, os colombianos terão de responder "sim" ou "não" à seguinte pergunta: "Apoia o acordo final para o fim do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura?".

Para que o acordo de paz seja aprovado pelos eleitores, a opção "sim" terá de obter pelo menos 13,5% dos recenseados, ou seja um mínimo de 4.536.992 votos.

Nas eleições presidenciais de 2014, Juan Manuel Santos foi reeleito com 7.836.987 votos contra os 7.029.845 de Óscar Iván Zuluaga, o candidato do partido Centro Democrático, que defende o "não" nesta consulta.

Em junho, Juan Manuel Santos defendeu a opção de um plebiscito e não de um referendo, afirmando que, entre outras razões mais técnicas, este plebiscito apenas precisa do "sim" de 13,5% dos recenseados, enquanto o outro tipo de consulta exige 25% do eleitorado.

O ex-presidente Álvaro Uribe (e o seu partido, o Centro Democrático) considera a consulta "ilegítima", precisamente porque, ao aprová-la, o Congresso colombiano fixou o limite mínimo em 13,5% dos eleitores e não os 50% mais um dos votantes, como é habitual neste tipo de consultas. Líder da campanha pelo "Não", Uribe argumenta que aprovar o acordo dará "total impunidade" às FARC.

Até ao momento nenhuma das sondagens de intenção de voto é favorável ao "não", que previsivelmente alcança entre 34 e 38% do eleitorado, contra os 54 a 62% do "Sim".

As FARC realizaram na semana passada uma conferência na qual foi formalmente aprovado o acordo de 297 páginas com o Governo colombiano, bem como uma moção para depor as armas e outra para converter o movimento num partido político.

Segundo um relatório publicado em 2013 pelo Centro Nacional de Memória Histórica, o conflito na Colômbia causou pelo menos 220 mil mortos, 5,7 milhões de deslocados, 25 mil desaparecidos e 27 mil sequestrados, crimes em grande parte cometidos pelas FARC.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.