sicnot

Perfil

Mundo

Defesa de Dilma entrega último recurso para tentar anular destituição

© Bruno Kelly / Reuters

Os advogados da ex-presidente brasileira Dilma Rousseff entregaram no Supremo Tribunal Federal um último recurso pedindo a anulação do processo de destituição, 30 dias depois de o Senado, a câmara alta do parlamento, ter aprovado o "impeachment".

No documento de 493 páginas questiona-se uma suposta falta de motivação legal do processo, alegando que a decisão de abrir o 'impeachment' e os argumentos que sustentaram o processo tiveram motivação política e não jurídica, como exige a lei brasileira.

"O que se pretende discutir nesta impetração [pedido de anulação] diz respeito, única e exclusivamente, à manifesta ausência de pressupostos jurídicos indispensáveis para que a decisão do Senado Federal, acerca do impeachment da senhora presidente da República", disse a defesa.

Os advogados também argumentam que "não pode um país, sob o risco de traumas e conflitos, permanecer a ser governado por quem não foi eleito pelo povo e não exerce seu mandato por decorrência do texto constitucional. A democracia não pode conviver com governos ilegítimos, nem mesmo por poucos dias".

A defesa da ex-presidente também questionou a participação do ex-Presidente da câmara baixa Eduardo Cunha no processo, pedindo ao final de todos os seus argumentos que seja concedida uma decisão liminar (temporária) na qual se decida que Dilma Rousseff volte a ser a Presidente até o recurso ser julgado em definitivo.

Este não é o primeiro pedido de anulação do processo protocolado pela defesa no STF. No início de setembro o tribunal negou uma outra liminar que pedia a anulação do processo de destituição.

Dilma Rousseff foi condenada e perdeu o cargo de Presidente da República em um julgamento decidido no plenário do Senado, em 31 de agosto, por 61 votos a favor e 20 contrários ao seu impedimento.

Os senadores brasileiros entenderam que a ex-chefe de Estado havia cometido crime de responsabilidade ao realizar as chamadas "pedaladas fiscais" (atraso no pagamento de débitos do Governo junto aos bancos públicos) e assinar três decretos que geraram gastos sem autorização do Congresso.

Lusa

  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22