sicnot

Perfil

Mundo

Sonda Rosetta termina odisseia espacial de 12 anos ao despenhar-se em cometa

Desenho da sonda Rosetta a aproximar-se do cometa 67P

ESA/ATG medialab/Rosetta/NavCam

A sonda espacial europeia Rosetta realizou hoje a sua última missão: o impacto controlado contra o cometa 67P, terminando como previsto uma odisseia no espaço de 12 anos.

A Agência Espacial Europeia (ESA) confirmou hoje o final bem-sucedido da missão Rosetta. Foi com aplausos que o anúncio foi feito a partir do Centro europeu de Operações Espaciais (ESOC) em Darmstadt, na Alemanha.

Eram 12:19 em Portugal quando a Rosetta aterrou no cometa que estudava há dois anos.

"Está feito. Posso confirmar o pleno sucesso da aterragem da Rosetta. As operações da missão Rosetta estão concluídas", disse o responsável das operações de voo Patrick Martin.

Local de aterragem da Rosetta no cometa 67P

Local de aterragem da Rosetta no cometa 67P

ESA

Nas horas que antecederam a queda controlada, a Rosetta recolheu os seus últimos dados: analisando a névoa gasosa do cometa, medindo a temperatura e a gravidade e tirando fotografias a curta distância do ponto que viria a ser o seu local de repouso.

A sonda foi programada para um "impacto controlado", a uma velocidade de 90 centímetros por segundo (velocidade de um humano a andar a passo), mas depois de uma queda livre de uma altitude de 19 quilómetros, que durou 14 horas.

A última manobra da Rosetta foi executada a uma distância de 720 milhões de quilómetros da Terra, e com o cometa a mover-se a uma velocidade de superior a 14 quilómetros por segundo.

A sonda nunca foi projetada para aterrar. A primeira missão para orbitar e aterrar num cometa foi aprovada em 1993 e visava investigar o nascimento do sistema Solar, há 4,6 mil milhões de anos.

A última fotografia tirada pela Rosetta ao cometa 67P a 51 metros de altitude

A última fotografia tirada pela Rosetta ao cometa 67P a 51 metros de altitude

ESA

A sonda Rosetta junta-se ao robô Philae, transportado pela sonda e que alcançou um feito histórico ao conseguir fazer pela primeira vez uma aterragem num comenta.

A Rosetta e a sonda de aterragem Philae viajaram mais de 6,4 mil milhões de quilómetros, ao longo de 10 anos, até alcançar o 67P em agosto de 2014.

A Philae desceu até à superfície do cometa em novembro de 2014, saltando várias vezes e enviando depois 60 horas de dados recolhidos na superfície. Depois entrou em modo "standby".

O cometa descreve uma elipse em torno do sol de 6,6 anos, tendo chegado ao ponto mais próximo do Sol em agosto do ano passado.

Em vez de deixar a Rosetta adormecer no espaço, os cientistas da missão optaram por terminar em grande, recolhendo os últimos dados mais perto do cometa antes de deixar embater a sonda.

Com Lusa

  • "Já só lhes resta uma coisa: bisbilhotar comunicações privadas"
    2:57

    Caso CGD

    O primeiro-ministro diz que o PSD atingiu o grau zero da política, quando chegou à "bisbilhotice" de querer ver as mensagens trocadas entre o ministro das Finanças e António Domingues. A polémica da Caixa Geral de Depósitos voltou a marcar o debate quinzenal, com António Costa a garantir que nunca esteve em causa a entrega de declarações da administração. Já o PSD e o CDS a acusaram o Governo de violar as regras da transparência e de oprimir os direitos da oposição.

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • Técnica de defesa contra aperto de mão de Donald Trump
    1:39
  • Vídeo mostra aterragem de Harrison Ford que quase causou um desastre

    Mundo

    Harrison Ford quase provocou um grave acidente quando, ao pilotar um dos seus aviões, falhou a pista de aterragem e esteve muito perto de chocar contra um um Boeing 737, com mais de 100 pessoas a bordo. O incidente com o ator norte-americano, considerado um piloto experiente, aconteceu na passada segunda-feira, dia 13, no Condado de Orange, na Califórnia, e o momento foi captado em vídeo.

  • Descoberta nova espécie de primatas em Angola

    Mundo

    Uma equipa britânica de cientistas descobriu uma nova espécie de galagos anões, um primata pertencente à família dos galonídeos - comum na África subsariana -, na floresta ameaçada da Kumbira, localizada na província do Cuanza Sul, noroeste de Angola.

  • Vestidos da princesa Diana em exposição
    1:29

    Mundo

    As roupas mais emblemáticas da princesa Diana vão estar em exposição no Palácio de Kensington, em Londres, a partir de sexta-feira. O objetivo é mostrar a evolução do estilo da princesa de Gales, considerada um dos maiores ícones de moda de sempre.