sicnot

Perfil

Mundo

Sonda Rosetta termina odisseia espacial de 12 anos ao despenhar-se em cometa

Desenho da sonda Rosetta a aproximar-se do cometa 67P

ESA/ATG medialab/Rosetta/NavCam

A sonda espacial europeia Rosetta realizou hoje a sua última missão: o impacto controlado contra o cometa 67P, terminando como previsto uma odisseia no espaço de 12 anos.

A Agência Espacial Europeia (ESA) confirmou hoje o final bem-sucedido da missão Rosetta. Foi com aplausos que o anúncio foi feito a partir do Centro europeu de Operações Espaciais (ESOC) em Darmstadt, na Alemanha.

Eram 12:19 em Portugal quando a Rosetta aterrou no cometa que estudava há dois anos.

"Está feito. Posso confirmar o pleno sucesso da aterragem da Rosetta. As operações da missão Rosetta estão concluídas", disse o responsável das operações de voo Patrick Martin.

Local de aterragem da Rosetta no cometa 67P

Local de aterragem da Rosetta no cometa 67P

ESA

Nas horas que antecederam a queda controlada, a Rosetta recolheu os seus últimos dados: analisando a névoa gasosa do cometa, medindo a temperatura e a gravidade e tirando fotografias a curta distância do ponto que viria a ser o seu local de repouso.

A sonda foi programada para um "impacto controlado", a uma velocidade de 90 centímetros por segundo (velocidade de um humano a andar a passo), mas depois de uma queda livre de uma altitude de 19 quilómetros, que durou 14 horas.

A última manobra da Rosetta foi executada a uma distância de 720 milhões de quilómetros da Terra, e com o cometa a mover-se a uma velocidade de superior a 14 quilómetros por segundo.

A sonda nunca foi projetada para aterrar. A primeira missão para orbitar e aterrar num cometa foi aprovada em 1993 e visava investigar o nascimento do sistema Solar, há 4,6 mil milhões de anos.

A última fotografia tirada pela Rosetta ao cometa 67P a 51 metros de altitude

A última fotografia tirada pela Rosetta ao cometa 67P a 51 metros de altitude

ESA

A sonda Rosetta junta-se ao robô Philae, transportado pela sonda e que alcançou um feito histórico ao conseguir fazer pela primeira vez uma aterragem num comenta.

A Rosetta e a sonda de aterragem Philae viajaram mais de 6,4 mil milhões de quilómetros, ao longo de 10 anos, até alcançar o 67P em agosto de 2014.

A Philae desceu até à superfície do cometa em novembro de 2014, saltando várias vezes e enviando depois 60 horas de dados recolhidos na superfície. Depois entrou em modo "standby".

O cometa descreve uma elipse em torno do sol de 6,6 anos, tendo chegado ao ponto mais próximo do Sol em agosto do ano passado.

Em vez de deixar a Rosetta adormecer no espaço, os cientistas da missão optaram por terminar em grande, recolhendo os últimos dados mais perto do cometa antes de deixar embater a sonda.

Com Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC