sicnot

Perfil

Mundo

Sonda Rosetta termina odisseia espacial de 12 anos ao despenhar-se em cometa

Desenho da sonda Rosetta a aproximar-se do cometa 67P

ESA/ATG medialab/Rosetta/NavCam

A sonda espacial europeia Rosetta realizou hoje a sua última missão: o impacto controlado contra o cometa 67P, terminando como previsto uma odisseia no espaço de 12 anos.

A Agência Espacial Europeia (ESA) confirmou hoje o final bem-sucedido da missão Rosetta. Foi com aplausos que o anúncio foi feito a partir do Centro europeu de Operações Espaciais (ESOC) em Darmstadt, na Alemanha.

Eram 12:19 em Portugal quando a Rosetta aterrou no cometa que estudava há dois anos.

"Está feito. Posso confirmar o pleno sucesso da aterragem da Rosetta. As operações da missão Rosetta estão concluídas", disse o responsável das operações de voo Patrick Martin.

Local de aterragem da Rosetta no cometa 67P

Local de aterragem da Rosetta no cometa 67P

ESA

Nas horas que antecederam a queda controlada, a Rosetta recolheu os seus últimos dados: analisando a névoa gasosa do cometa, medindo a temperatura e a gravidade e tirando fotografias a curta distância do ponto que viria a ser o seu local de repouso.

A sonda foi programada para um "impacto controlado", a uma velocidade de 90 centímetros por segundo (velocidade de um humano a andar a passo), mas depois de uma queda livre de uma altitude de 19 quilómetros, que durou 14 horas.

A última manobra da Rosetta foi executada a uma distância de 720 milhões de quilómetros da Terra, e com o cometa a mover-se a uma velocidade de superior a 14 quilómetros por segundo.

A sonda nunca foi projetada para aterrar. A primeira missão para orbitar e aterrar num cometa foi aprovada em 1993 e visava investigar o nascimento do sistema Solar, há 4,6 mil milhões de anos.

A última fotografia tirada pela Rosetta ao cometa 67P a 51 metros de altitude

A última fotografia tirada pela Rosetta ao cometa 67P a 51 metros de altitude

ESA

A sonda Rosetta junta-se ao robô Philae, transportado pela sonda e que alcançou um feito histórico ao conseguir fazer pela primeira vez uma aterragem num comenta.

A Rosetta e a sonda de aterragem Philae viajaram mais de 6,4 mil milhões de quilómetros, ao longo de 10 anos, até alcançar o 67P em agosto de 2014.

A Philae desceu até à superfície do cometa em novembro de 2014, saltando várias vezes e enviando depois 60 horas de dados recolhidos na superfície. Depois entrou em modo "standby".

O cometa descreve uma elipse em torno do sol de 6,6 anos, tendo chegado ao ponto mais próximo do Sol em agosto do ano passado.

Em vez de deixar a Rosetta adormecer no espaço, os cientistas da missão optaram por terminar em grande, recolhendo os últimos dados mais perto do cometa antes de deixar embater a sonda.

Com Lusa

  • O dia em que o Brexit começa
    1:25

    Brexit

    A primeira-ministra britânica já assinou a carta que vai enviar ao Conselho Europeu para formalizar a vontade do Reino Unido de sair da União Europeia. O artigo 50.º do Tratado de Lisboa será ativado nas próximas horas. Na véspera, Theresa May recebeu da Escócia um novo contratempo político.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Governo vai dar mais meios à investigação criminal
    2:34

    País

    A ministra da Justiça garante que o Governo vai dar mais meios à investigação criminal, mas assegura que não vai mexer nos prazos dos inquéritos. A questão tem sido insistentemente levantada pela defesa de José Sócrates, que se queixa de que a Operação Marquês já ultrapassou todos os prazos.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.