sicnot

Perfil

Mundo

Presidente filipino não elogiou Hitler, mas quer matar milhões

O porta-voz do Presidente filipino disse hoje que Rodrigo Duterte não quis elogiar Adolf Hitler nem destacar o Holocausto como modelo para a sua violenta campanha contra o narcotráfico, que em três meses causou milhares de mortos.

Duterte gerou uma nova polémica ao declarar na sexta-feira que "gostaria de massacrar" os três milhões de toxicodependentes no país, tal como o líder nazi fez com milhões de judeus "para salvar a próxima geração da perdição".

As declarações provocaram a apresentação de um protesto formal da Alemanha na Embaixada das Filipinas em Berlim, a condenação da ONU e críticas dos Estados Unidos, que as classificou de "profundamente perturbadoras".

O porta-voz da presidência filipina, Ernesto Abella, disse que as palavras de Duterte eram uma referência "oblíqua" a Hitler e ao Holocausto.

"As Filipinas reconhecem o profundo significado da experiência judaica e a sua trágica e dolorosa história. No queremos menosprezar a profunda perda de seis milhões de judeus no Holocausto", disse Abella à emissora da rádio estatal DZRB.

"A referência do Presidente ao massacre foi uma deflexão oblíqua à forma como tem sido retratado como um assassino em massa, um Hitler, um rótulo que rejeita", acrescentou o porta-voz.

"Da mesma maneira traça uma conclusão oblíqua na qual, se o Holocausto foi uma tentativa de exterminar a futura geração de judeus, as mortes (da campanha antidrogas) que lhe é atribuída, resultará, de qualquer forma, na salvação da próxima geração de filipinos",concluiu Abella.

Duterte defende como necessária a campanha que iniciou em junho para acabar com o tráfico de drogas no país, que segundo dados oficiais já causou mais de 3.500 mortos, apesar das críticas da ONU, Estados Unidos, União Europeia e organizações de defesa dos direitos humanos.

Duterte ganhou folgadamente as eleições presidenciais com a promessa de acabar com a droga e a delinquência nos primeiros seis meses de mandato.

Desde então, instou, por inúmeras vezes, a polícia e os próprios cidadãos a matar traficantes e consumidores de droga.

Lusa

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Atrás das Câmaras em Fátima
    2:48
  • PS quer reconquistar poder em Vila Viçosa
    2:06

    Autárquicas 2017

    Ana Catarina Mendes insistiu na ideia de que o PSD escolheu um modo perigoso de fazer campanha, ao insistir nas críticas à lei da imigração. Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, esteve esta quarta-feira em campanha no distrito de Évora.

  • Troca de argumentos entre Medina e Cristas marca campanha em Lisboa
    2:34

    Autárquicas 2017

    Esta quarta-feira o dia de campanha em Lisboa ficou marcado por uma troca de argumentos entre Fernando Medina e Assunção Cristas. O atual presidente da Câmara acusa a candidata do CDS de não respeitar os lisboetas por admitir que pode não exercer o cargo de vereadora até ao fim do mandato. Já Assunção Cristas garante que se for eleita cumpre o mandato até ao fim.

  • Furacão Maria já causou pelo menos nove mortes

    Mundo

    O furacão Maria já causou pelo menos nove mortos durante a sua passagem pelas Antilhas Menores, tendo baixando para uma tempestade de grau três depois de atravessar Porto Rico, segundo as autoridades.

  • Presidente do Irão responde a Trump: "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.

  • Casal morre com horas de diferença depois de 75 anos de casamento

    Mundo

    George e Jean Spear morreram no passado dia 15 de setembro, no hospital de Queensway Carleton, em Ottawa (Canadá), depois de terem celebrado 75 anos de casamento em agosto. A britânica de 94 anos conheceu o candaniano em 1941, num salão de bailes, em Londres. George Spear servia as Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial.

    SIC