sicnot

Perfil

Mundo

Turquia aprova permanência de militares no Iraque e Síria por mais um ano

O parlamento turco aprovou este sábado, por larga maioria, a permanência por mais um ano dos militares turcos nas suas missões no Iraque e na Síria.

Em virtude desta decisão, os militares turcos poderão agir no Iraque e na Síria até ao final e outubro de 2017, segundo a agência France Presse.

Depois de ter sido acusada durante muito tempo de complacência com os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI), Ancara lançou a 24 de agosto uma ofensiva militar na Síria, batizada de "Escudo de Eufrates", para apanhar, não só elementos do EI, mas também milícias curdas na fronteira.

A permanência dos militares turcos foi decretada em outubro de 2014, antes de ter sido prolongada uma primeira vez em setembro de 2015.

A decisão foi aprovada pelos apoiantes do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP, no poder), pelos sociais-democratas do CHP e pelos nacionalistas do MHP. O único partido pró-curdo do HDP (Partido Democrático do Povo) opôs-se a este prolongamento, apoiado pelo governo turco.

A Turquia dispõe de tropas estacionadas no Iraque, na base de Bashiqa, na província de Ninive, para treinar voluntários iraquianos sunitas com vista à recuperação de Mossul, a segunda cidade iraquiana tomada pelo EI em junho de 2014.

Lusa

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".