sicnot

Perfil

Mundo

Presidenciais em Cabo Verde registam maior taxa de abstenção na história do país

As eleições presidenciais deste domingo em Cabo Verde registaram uma taxa de abstenção de 63,6%, a mais alta da história eleitoral do país, segundo os dados provisórios.

De acordo com resultados provisórios divulgados no site oficial sobre as eleições presidenciais (www.eleicoes.gov.cv), quando estavam contabilizadas 90% das 1.265 mesas de voto, a taxa de abstenção situava-se em 63,6 por cento, a maior a nível de todas as eleições (presidenciais, legislativas e autárquicas) realizadas no país, seis de cada em 25 anos.

De acordo com os dados provisórios, Jorge Carlos Fonseca foi reeleito Presidente da República de Cabo Verde à primeira volta, com 74% dos votos, à frente de Albertino Graça (22,6%) e Joaquim Monteiro (3,4%).

Nas primeiras eleições presidenciais democráticas realizadas em Cabo Verde, em 1991, a taxa de abstenção foi de 38,6%, a menor ao nível das presidenciais.

Nessas eleições, António Mascarenhas Monteiro foi eleito pela primeira vez, ao derrotar o então presidente Aristides Pereira, ambos já falecidos.

Cinco anos mais tarde, 54,3% dos cabo-verdianos não foram às urnas, no escrutínio que reelegeu António Mascarenhas Monteiro, que desta vez concorreu sozinho.

Nas duas vezes que que Pedro Pires foi eleito chefe de Estado cabo-verdiano, a abstenção situou-se nos 48,3% na 1ª volta e 41,04% na 2ª volta, em 2001, e nos 41 por cento em 2006.

Há cinco anos, Jorge Carlos Fonseca foi eleito numa votação que teve 46,3 por cento de abstenção na primeira volta e 54,3 por cento na segunda volta, que igualou a maior taxa até agora nas presidenciais do país.

Ao nível das legislativas, a maior taxa de abstenção situa-se nos 45,8 por cento, registada no escrutínio realizado em 2006, e a menor em 23,98%, obtida em 2011.

Já nas autárquicas, a eleição em que a maior parte dos cabo-verdianos não foi às urnas (45,6%) foi nas primeiras, realizadas em 1991.

Relativamente à história eleitoral do país, a menor taxa de abstenção foi de 19,45 por cento, registada nas eleições autárquicas de 18 de maio de 2008.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Rapper XXXTentacion morto em aparente tentativa de roubo

    Cultura

    O rapper norte-americano XXXTentacion, de 20 anos, morreu na noite de segunda-feira depois de ter sido baleado, na Florida, no sudeste dos Estados Unidos. Um dos suspeitos terá disparado e atingido o rapper e, de seguida, dois suspeitos fugiram numa viatura escura. A polícia está a considerar tentativa de roubo.

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.