sicnot

Perfil

Mundo

UE avança com ajuda humanitária de emergência a Alepo na Síria

A União Europeia anunciou este domingo uma "iniciativa humanitária de emergência" para Alepo, Síria, que permita às organizações humanitárias prestar assistência de emergência aos civis, e pediu a todas as partes envolvidas no conflito o seu apoio a esta medida.

A iniciativa, adotada em cooperação com a Organização das Nações Unidas (ONU), tem dois objetivos e o primeiro é o de "facilitar a entrega urgente de assistência básica a civis na zona leste de Alepo que cubra as suas necessidades médicas, de alimentos e água" com a ajuda de uma coluna humanitária, refere um comunicado da UE.

O segundo objetivo passa por "assegurar as retiradas médicas de feridos e doentes que precisam de cuidados médicos urgentes e que se encontram no leste de Alepo, com especial atenção aos idosos, crianças e mulheres", segundo a nota citada pela EFE.

"Apelamos a todas as partes (envolvidas) no conflito para apoiarem e facilitarem esta iniciativa", disseram a Alta Representante da UE para Política Externa e Segurança, Federica Mogherini, e o comissário de Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, citados no comunicado.

Em concreto, os responsáveis europeus pediram às partes envolvidas no conflito para que facultem as autorizações necessárias para a entrega de ajuda e as evacuações médicas que, segundo a UE, devem ocorrer não só em Alepo, mas em todas as zonas ocupadas.

Mogherini e Stylianides asseguraram que a "UE está disposta a facilitar e a apoiar a retirada e o encaminhamento dos pacientes aos serviços médicos adequados na região ou, caso seja necessário, à Europa, para receberem cuidados médicos especializados não disponíveis na região".

Ambos os responsáveis referiram igualmente, segundo o comunicado, que a UE vai disponibilizar um pacote de 25 milhões de euros de ajuda de emergência para apoiar e ampliar a primeira linha de resposta criada pelos parceiros humanitários para cobrir emergências médicas, água e saneamento, bem como assistência alimentar em Alepo e noutras áreas prioritárias naquele território.

No passado dia 22 de setembro, as forças governamentais sírias, apoiadas pela aviação russa, retomaram a sua ofensiva sobre a cidade de Alepo, numa tentativa de progredir frente aos rebeldes, dias depois do fim de uma trégua de uma semana acordada pela Rússia e pelos Estados Unidos em todo o país.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.