sicnot

Perfil

Mundo

Confirmada invalidade de referendo sobre quotas de refugiados na Hungria

A comissão eleitoral da Hungria confirmou hoje que o referendo no país sobre as quotas de refugiados na União Europeia é inválido. O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, continua a afirmar que a União Europeia "não poderá impor a sua vontade à Hungria" e anunciou que vai apresentar uma emenda constitucional para "registar a vontade das pessoas".

De acordo com os resultados oficiais, quando estão contabilizados 94% dos votos, a consulta popular teve uma participação de 43,23% dos eleitores, número inferior aos 50% necessários para que o escrutínio fosse legalmente válido.

O "não" ganhou a simpatia dos votantes, obtendo 98,24% dos votos.

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, declarou hoje, após ter votado, que não interessava a taxa de participação, mas a vitória do "não".

UE não poderá impor a sua vontade à Hungria

"Bruxelas não poderá impor a sua vontade à Hungria", disse o primeiro-ministro conservador, depois de conhecidos os resultados oficiais.

Para Viktor Orbán, Bruxelas não pode ignorar "a vontade" expressa pelas pessoas que votaram.

"Espera-nos um longo caminho, com lutas duras", vincou.

Após ter votado, o chefe do Governo húngaro tinha declarado que não interessava a taxa de participação no referendo, mas a vitória do "não".

Segundo o sistema de quotas de refugiados, a Hungria, com dez milhões de habitantes, deveria acolher pelo menos 1.300 pessoas das 160.000 que seriam repartidas pelos países da União Europeia.

"Só nós é que podemos decidir com quem queremos viver", apontou Viktor Orbán, que se opõe ao plano de acolhimento de refugiados da União Europeia e à imigração, que vê como uma ameaça para a cultura e a forma de vida europeias.

Com Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.