sicnot

Perfil

Mundo

Diário de prisão de Luaty Beirão será publicado em novembro

O diário de prisão do ativista luso-angolano Luaty Beirão será publicado pela Tinta-da-China no final de novembro, disse esta segunda-feira à agência Lusa a diretora editorial, Bárbara Bulhosa.

"Vou publicar no fim de novembro o diário de prisão, aquilo que o Luaty escreveu enquanto esteve preso, embora não tenhamos todos os cadernos que ele escreveu, porque alguns ficaram retidos pelos guardas prisionais e ele não consegue recuperá-los", indicou.

Luaty Beirão foi um dos 17 ativistas detidos em junho de 2015 em Luanda e condenados em março deste ano pela justiça angolana a penas de prisão entre dois anos e três meses e oito meses e meio por "rebelião e associação de malfeitores", provisoriamente libertados em junho e depois abrangidos por uma amnistia geral.

O diário do ativista de 34 anos, uma das vozes mais críticas do regime angolano liderado por José Eduardo dos Santos contém, por exemplo, "listas do que ele precisava para comer, porque na prisão -- e ele esteve em várias --, não aceitava nenhuma comida dada pelos guardas prisionais, por haver um grande risco de ser envenenado", revelou a editora.

"Ele só comia aquilo que a família lhe levava - e que tinha de poupar muito - e descreve as celas, os ratos nas celas, a vida na solitária, o que ouvia nas outras celas... É muito impressionante o relato dele", observou.

Além do diário original, o livro incluirá também uma longa entrevista do Carlos Vaz Marques ao 'rapper' e engenheiro eletrotécnico luso-angolano, a solução considerada pela editora "a mais interessante para contar a história do Luaty".

"Na entrevista, o Luaty vai relatar o resto, aquilo que não está no diário, desde o processo à prisão, à greve da fome e, agora, a esta amnistia e àquilo que ele quer fazer no futuro com o que se tornou -- porque se tornou, de facto, o símbolo da libertação de Angola", frisou Bárbara Bulhosa.

Lusa

  • Luaty relata detenção e fala em agressões da polícia angolana
    2:12

    Mundo

    O ativista luso-angolano Luaty Beirão foi hoje detido em Luanda durante algumas horas, juntamente com outros sete ativistas em frente a uma prisão em Luanda, quando tentavam visitar o ativista Francisco Gomes Mapanda. A SIC falou com o próprio Luaty Beirão, o ativista angolano que hoje voltou a ser detido enquanto aguardava pela hora da visita na cadeia de Viana. Luaty Beirão relata o que se passou esta tarde, mostra-se confuso e indignado com mais este episódio de agressões por parte da polícia angolana.

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.