sicnot

Perfil

Mundo

Ex-Presidente de moçambicano Chissano apoia Guterres para a ONU

O ex-Presidente de Moçambique Joaquim Chissano manifestou desejo que António Guterres seja nomeado secretário-geral das Nações Unidas, mostrando-se desconfiado sobre o processo de escolha.

"Eu agora estou um pouco perdido porque parei na quinta votação, não sei já houve a sexta. Ele ganhou todas as cinco votações e estava a dizer em conversa que, se o Guterres perder - era um pouco de brincadeira - será fraude", comentou.

Convicto de que as cinco votações seriam suficientes para garantir a eleição do antigo primeiro-ministro português, questionou também o anúncio na semana passada da candidatura da búlgara Kristalina Georgieva, vice-presidente da Comissão Europeia, substituindo a compatriota Irina Bokova, atual diretora-geral da UNESCO.

"Essa mudança de jogador da Bulgária à ultima hora não sei como vai ser classificado", ironizou, à margem da divulgação do Índice Ibrahim de Governação Africano 2016.

O antigo chefe de Estado moçambicano vincou que "nas Nações Unidas, é preciso escolher um candidato sem pensar naquilo que ele vai fazer pelo seu país" porque, acrescentou, "uma vez eleito secretário geral, é secretário-geral para todos, não pode pensar que vai fazer favores".

Deu o exemplo de Boutros Boutros-Ghali e de Kofi Annan, ambos africanos.

"Não fizeram maravilha nem fizeram surpresas para África porque tinham de ser secretários-gerais para todos", justificou.

Mesmo assim, manifestou apoio ao candidato português, enfatizando: "gostaria que o Guterres ganhasse porque eu conheço a sua idoneidade e a sua capacidade de ser independente no desempenho das suas funções".

Lusa

  • Seca extrema agrava-se no interior alentejano, produção de trigo pode cair 40%
    6:22

    País

    A falta de chuva está a provocar prejuízos na agricultura, em especial no setor dos cereais, como o trigo que, este ano, deverá registar uma quebra de 40% na produção. O repórter Luís Godinho convidou o agricultor e professor de Ciências Agrárias na Universidade de Évora, Ricardo Freixial, para explicar os prejuízos que a seca está a provocar nas culturas e a sustentabilidade da agricultura portuguesa perante as alterações climáticas.