sicnot

Perfil

Mundo

Chile restringe carros e proíbe queima de lenha na capital

© Ueslei Marcelino / Reuters

A circulação automóvel na capital chilena, uma das cidades mais poluídas da América do Sul, vai ser restringida e o aquecimento através da queima de madeira interdito para reduzir as emissões de partículas finas em 60% dentro de 10 anos.

A situação geográfica desta cidade de sete milhões de habitantes, encaixada entre as montanhas da cordilheira dos Andes, perturba a renovação do ar, o que tem motivado das autoridades locais esforços, velhos de anos, para procurar contrariar a situação.

Em junho de 2015, e depois em junho último, Santiago foi mesmo colocada em "estado de urgência ambiental", suspendendo a circulação de 40% do parque automóvel, devido a situações de poluição intensa.

O plano "Santiago Respira", dotado de um orçamento de mil milhões de dólares (892 milhões de euros), para um período de 10 anos, e financiado por fontes públicas e privadas, pretende reduzir em 60% os níveis de partículas finas ou de dimensão inferior a 2,5 microns (milésima parte do milímetro), suscetíveis de penetrar nas vias respiratórias e afetar a saúde dos habitantes, quatro mil dos quais morrem em cada ano devido à poluição.

"É um plano que nos vai permitir fazer um avanço significativo na despoluição de Santiago", afirmou, em conferência de imprensa, o ministro do Ambiente, Pablo Badenier.

O plano prevê a proibição de circular na cidade entre maio e agosto, que são os meses de mais forte poluição, para os automóveis fabricados antes de 2012, o que vai afetar cerca de 200 mil dos 1,9 milhões que todos os dias circulam na capital.

É também interdita, durante todo o ano, a utilização de madeira para aquecimento, como fazem numerosas famílias nos bairros ricos de Santiago, situados nas zonas mais altas e, portanto, menos afetadas pela poluição.

"Um terço da poluição é gerado por 119 mil habitações", sublinhou o governador de Santiago, Claudio Orrego.

O plano contempla ainda a proibição de circulação de camiões no centro de Santiago, ajudas à compra de veículos menos poluentes e um objetivo de redução em 30% das emissões das principais unidades industriais da cidade.

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.