sicnot

Perfil

Mundo

Ilhas do Pacífico em risco de fome e sede generalizada

A menor possibilidade de obter água potável e alimentos nas ilhas do Pacífico representa uma ameaça para as comunidades indígenas e rurais, especialmente para mulheres e crianças, alerta um relatório divulgado hoje na Nova Zelândia.

O trabalho da Cáritas Aotearoa sobre a situação ambiental na Oceania indica que os fenómenos meteorológicos extremos combinados com os contínuos efeitos das alterações climáticas favorecem a perda severa de alimentos e água potável na região.

A diretora da filial neozelandesa da organização, Julianne Hickey, assinalou que nas Fiji muitas crianças comem raízes de mandioca amaciadas com paracetamol e que na Papua Nova Guiné muitas pessoas tiveram de caminhar durante dias para obter comida e água devido ao fenómeno El Niño.

Este fenómeno provocou secas em toda a região e no seu ponto alto fez com que cerca de 4,7 milhões de pessoas ficassem sem água e comida, segundo o relatório.

O El Niño exacerbou a situação de escassez de água que afeta a Papua Nova Guiné, onde 60% da população não tem acesso a fontes seguras de água, uma taxa considerada a mais elevada do mundo.

A organização alertou que em países como as Fiji, Vanuatu ou Tonga a falta de alimentos adequados e de água, devido a um clima extremo, terá um impacto negativo a longo prazo na saúde da população e no acesso das crianças à educação.

"Ouvimos falar de fome, de gente que morre por causa dela, de fome e sede", disse Hickey à Rádio New Zeland.

Apesar de a Oceania não constar das estatísticas mundiais sobre insegurança alimentar, o relatório sublinha a vulnerabilidade das fontes de água e alimentos na região quando ocorrem eventos extremos como o El Niño ou ciclones de categoria 5.

A Cáritas recordou que a erosão das costas, as inundações e a salinização dos poços de água continuam a ameaçar os povos do Pacífico, que estão a deslocar-se como consequência do aumento do nível do mar.

A organização criticou a atual política de apoio ao desenvolvimento da Nova Zelândia e da Austrália nesta região e apelou a uma concentração dos esforços para combater o impacto das alterações climáticas.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.