sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 200.000 afegãos regressaram do Paquistão em 2016

Mais de 200.000 refugiados afegãos saíram este ano do Paquistão para regressar ao Afeganistão, quase metade deles só em setembro, o número mais alto desde que os Estados Unidos depuseram o regime talibã em 2002, anunciou esta terça-feira a ONU.

O número crescente de regressos regista-se depois de o Paquistão ter reforçado o controlo nas fronteiras, em junho, e acentuado o controlo de documentos de cidadãos afegãos a residir no país.

A maioria - mais de 185.000 - regressou a partir de julho e quase 98.000 em setembro, precisou um porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), Qaisar Khan Afridi, citado pela agência France-Presse.

"De janeiro até hoje, o número de refugiados que regressaram voluntariamente ao Afeganistão ultrapassou os 200.000", disse.

O fluxo parece manter-se em outubro, com as autoridades a registar cerca de 5.000 regressos diários desde o dia 1.

Segundo dados da Amnistia Internacional divulgados hoje, o Paquistão acolhe 1,6 milhões de refugiados, o que faz do país o terceiro maior recetor de refugiados do mundo.

Segundo o ACNUR, no entanto, o número deve ser revisto em baixa e situar-se-á atualmente nos 1,4 milhões.

Além dos controlos paquistaneses, o ACNUR cita várias razões para o regresso dos afegãos, nomeadamente apreensão quanto ao futuro no Paquistão e a insegurança que se vive no país.

Outro fator apontado é a decisão de junho do ACNUR de duplicar o subsídio pago a cada pessoa que regressa voluntariamente de 200 para 400 dólares (de 180 para 360 euros) e uma campanha do Governo afegão apelando para o regresso dos seus cidadãos.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.