sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 200.000 afegãos regressaram do Paquistão em 2016

Mais de 200.000 refugiados afegãos saíram este ano do Paquistão para regressar ao Afeganistão, quase metade deles só em setembro, o número mais alto desde que os Estados Unidos depuseram o regime talibã em 2002, anunciou esta terça-feira a ONU.

O número crescente de regressos regista-se depois de o Paquistão ter reforçado o controlo nas fronteiras, em junho, e acentuado o controlo de documentos de cidadãos afegãos a residir no país.

A maioria - mais de 185.000 - regressou a partir de julho e quase 98.000 em setembro, precisou um porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), Qaisar Khan Afridi, citado pela agência France-Presse.

"De janeiro até hoje, o número de refugiados que regressaram voluntariamente ao Afeganistão ultrapassou os 200.000", disse.

O fluxo parece manter-se em outubro, com as autoridades a registar cerca de 5.000 regressos diários desde o dia 1.

Segundo dados da Amnistia Internacional divulgados hoje, o Paquistão acolhe 1,6 milhões de refugiados, o que faz do país o terceiro maior recetor de refugiados do mundo.

Segundo o ACNUR, no entanto, o número deve ser revisto em baixa e situar-se-á atualmente nos 1,4 milhões.

Além dos controlos paquistaneses, o ACNUR cita várias razões para o regresso dos afegãos, nomeadamente apreensão quanto ao futuro no Paquistão e a insegurança que se vive no país.

Outro fator apontado é a decisão de junho do ACNUR de duplicar o subsídio pago a cada pessoa que regressa voluntariamente de 200 para 400 dólares (de 180 para 360 euros) e uma campanha do Governo afegão apelando para o regresso dos seus cidadãos.

Lusa

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.