sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 200.000 afegãos regressaram do Paquistão em 2016

Mais de 200.000 refugiados afegãos saíram este ano do Paquistão para regressar ao Afeganistão, quase metade deles só em setembro, o número mais alto desde que os Estados Unidos depuseram o regime talibã em 2002, anunciou esta terça-feira a ONU.

O número crescente de regressos regista-se depois de o Paquistão ter reforçado o controlo nas fronteiras, em junho, e acentuado o controlo de documentos de cidadãos afegãos a residir no país.

A maioria - mais de 185.000 - regressou a partir de julho e quase 98.000 em setembro, precisou um porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), Qaisar Khan Afridi, citado pela agência France-Presse.

"De janeiro até hoje, o número de refugiados que regressaram voluntariamente ao Afeganistão ultrapassou os 200.000", disse.

O fluxo parece manter-se em outubro, com as autoridades a registar cerca de 5.000 regressos diários desde o dia 1.

Segundo dados da Amnistia Internacional divulgados hoje, o Paquistão acolhe 1,6 milhões de refugiados, o que faz do país o terceiro maior recetor de refugiados do mundo.

Segundo o ACNUR, no entanto, o número deve ser revisto em baixa e situar-se-á atualmente nos 1,4 milhões.

Além dos controlos paquistaneses, o ACNUR cita várias razões para o regresso dos afegãos, nomeadamente apreensão quanto ao futuro no Paquistão e a insegurança que se vive no país.

Outro fator apontado é a decisão de junho do ACNUR de duplicar o subsídio pago a cada pessoa que regressa voluntariamente de 200 para 400 dólares (de 180 para 360 euros) e uma campanha do Governo afegão apelando para o regresso dos seus cidadãos.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.