sicnot

Perfil

Mundo

Obama e DiCaprio apelam ao aumento dos esforços no combate às alterações climáticas

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o ator Leonardo DiCaprio destacaram na segunda-feira a urgência de se tomarem mais medidas na "corrida contra o tempo" que é a luta contra as alterações climáticas.

O ator levou a sua campanha ambiental à Casa Branca, durante uma conversa com Obama que começou com uma referência a políticos que se mostram céticos em relação às alterações climáticas, como Donald Trump, candidato à presidência dos EUA nas eleições deste ano.

"Se não acreditas nas alterações climáticas, não acreditas em feitos nem nas ações, e portanto, na minha humilde opinião, não te deveriam permitir aceder a um cargo público", disse DiCaprio no início do seu encontro com Obama no final do festival South By South Lawn, organizado pela Casa Branca para fomentar ideias inovadoras.

DiCaprio, que não mencionou diretamente Trump, mostrou-se preocupado por nas sondagens o ambiente ser um dos temas que menos preocupa os eleitores dos EUA e apenas "cerca de 2%" o identificarem como prioridade na hora de decidir em quem votar.

"As alterações climáticas parecem ser perversamente desenhadas para serem muito difíceis de resolver politicamente", disse Obama, reconhecendo que é difícil para as pessoas "ligar" um tornado ou inundação com o problema e que em política não é habitual tomar "decisões duras" cujos efeitos só se sentem "muito mais tarde".

"Para resolver este problema vamos precisar de uma inovação extraordinária, em coisas como o armazenamento de energia eólica e solar. Isso vai requerer mobilização de pessoas e, em última instância, que se expresse nas urnas", acrescentou Obama.

O Presidente assegurou que não há espaço para "a negação" das alterações climáticas nem para "políticas obstrucionistas" porque o fenómeno está a avançar "mais rapidamente do que se previa" e é necessário "um sentido de urgência".

"Estamos realmente numa corrida contra o tempo", sublinhou Obama, que ainda assim se mostrou "orgulhoso" do seu legado neste campo e o seu contributo para o Acordo de Paris, assinado em dezembro, na cimeira mundial sobre o clima.

"Prevejo que este acordo entrará em vigor nas próximas semanas", afirmou Obama, ao recordar que a Índia acaba de o ratificar e se espera que "vários outros países" se sigam em breve, o que permitirá alcançar a meta de aprovação por 55 nações que representem 55% das emissões mundiais de gases de efeito estufa.

O Presidente norte-americano destacou que "esta semana começarão as negociações" finais para chegar a um acordo internacional que regule as emissões dos aviões e que também se potenciará um pacto global para reduzir a emissão de hidrofluorocarbonetos.

DiCaprio apresentou no festival o seu documentário "Before The Flood", um projeto de três anos com o qual disse ter "aprendido muito" sobre o impacto das alterações climáticas e sobre as medidas necessárias para as combater.

"A maioria da comunidade científica com que falei acredita verdadeiramente que a melhor receita para resolver este tema é um imposto sobre o carbono", afirmou o ator.

Obama disse, no entanto, que "no contexto atual do Congresso" norte-americano, "a possibilidade de que seja aprovado de imediato um imposto sobre o carbono é mais do que distante".

Como alternativa defendeu o seu Plano de Energia Limpa, que estabelece uma série de cortes em emissões de carbono e dá flexibilidade aos estados para decidir como atingir os níveis definidos.

No entanto, o Tribunal Supremo dos Estados Unidos mantém este plano bloqueado desde fevereiro.

Lusa

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.