sicnot

Perfil

Mundo

Turquia suspende mais de 12 mil polícias por suspeita de envolvimento em golpe

As autoridades turcas decidiram suspender mais de 12 mil polícias por alegado vínculo a redes da organização liderada por Fethullah Gulen, que Ancara acusa de estar por detrás do golpe militar falhado de julho, avança hoje o jornal Haberturk.

O diário, próximo do Governo turco, indicou que a decisão foi tomada pouco depois da meia-noite e será transmitida hoje aos polícias implicados, que estão divididos pelas 81 províncias do país.

No entanto, o maior número concentra-se em Ancara (1.350), Izmir (570), Diyarbakir (650) e Hakkari (350).

Entre os agentes suspensos há vários altos cargos, acrescenta o jornal, que explica que a Direção de Segurança investigará cada um deles e que serão despedidos se se verificar o seu vínculo à irmandade de Gülen.

Segundo informou recentemente o ministro turco da Justiça, Bekir Bozdag, nos dois meses e meio que passaram desde o golpe fracassado de 15 de julho, cerca de 70 mil pessoas foram suspensas dos seus cargos, a maioria públicos, e 35 mil foram detidas ao abrigo da lei do estado de emergência.

Bozdag explicou que estas medidas foram tomadas no âmbito das investigações judiciais para apurar as responsabilidades pelo golpe.

O Conselho de Ministros da Turquia decidiu, na terça-feira, prorrogar por mais 90 dias o estado de emergência proclamado a 20 de julho.

O Presidente, Recep Tayyip Erdogan, declarou na quinta-feira que pode ser necessário alargar esta situação "até 12 meses" para combater a rede de simpatizantes de Gülen, que vive nos Estados Unidos desde 1999, motivo pelo qual Ancara pediu a Washington a sua extradição.

Ao abrigo do estado de emergência, o Governo tem poder para emitir decretos com força de lei, suspender liberdades e direitos fundamentais, impor obrigações financeiras e laborais aos cidadãos e conferir poderes especiais aos funcionários, sem que estas decisões possam ser recorridas junto da Justiça.

Lusa