sicnot

Perfil

Mundo

Merkel reivindica papel para a UE nos grandes desafios mundiais

© Axel Schmidt / Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu esta quarta-feira que a União Europeia (UE) deve ter um papel na resposta aos grandes desafios mundiais e cumprir o que promete para recuperar a confiança dos cidadãos.

Merkel, que intervinha num fórum empresarial em Berlim, defendeu também a sua política de acolhimento de refugiados como uma questão de valores e princípios e a aposta do seu governo no futuro acordo de comércio livre com os Estados Unidos (TTIP), políticas que lhe têm valido fortes críticas internas.

"Precisamos da UE como ator comum nas grandes perguntas sobre a evolução do mundo", disse a chanceler, depois de enumerar desafios como a crise migratória, os conflitos na Síria e na Ucrânia ou o fraco crescimento económico da Europa.

A chanceler precisou que não se trata de a UE perseguir "grandes visões" ou "mudanças nos tratados", mas de ser "mais rápida" em "algumas decisões", dando como exemplo a grande diferença de ritmo entre o progresso tecnológico e o desenvolvimento legal comunitário nessa matéria.

Por outro lado, acrescentou, é importante "implementar o que é acordado", porque o contrário deixa "as pessoas desconfiadas" e só cumprindo se recupera "a credibilidade" perante os cidadãos.

Na base das grandes questões do mundo atual, defendeu, está o grau de abertura que os países estão dispostos a ter.

Nesse contexto, o Brexit, a decisão do Reino Unido de sair da UE, é "um primeiro passo para uma menor integração", e consequentemente um menor grau de abertura.

Para que o Reino Unido possa ter acesso ao mercado comum, frisou, tem de aceitar e aplicar "as quatro liberdades fundamentais" da UE, que incluem "a liberdade de circulação de pessoas" que Londres rejeita.

Lusa

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.