sicnot

Perfil

Mundo

Cinco anos depois, chefe da máfia italiana capturado num quarto secreto em casa

Cinco anos depois, chefe da máfia italiana capturado num quarto secreto em casa

Um fugitivo conseguiu fugir da polícia italiana durante cinco anos, ao esconder-se num quarto secreto na sua própria casa. O homem era o chefe da máfia 'Ndrangheta, instalada na região de Calábria, em Itália. Contudo, na quarta-feira foi encontrado pelas autoridades no seu abrigo.

Antonio Pelle estava na lista italiana dos fugitivos mais perigosos. O homem de 54 anos pode ser condenado a 20 anos de prisão não só pelos crimes de tráfico de droga e armas, mas também por ser um membro da máfia.

Um vídeo publicado pelas autoridades mostra o momento em que o fugitivo é apanhado na sua própria casa, em Benestare.

Segundo o agente da polícia Francesco Ratta, cerca de 50 polícias estiveram nas buscas na casa de dois andares, onde Pelle sempre viveu. Contudo, foi preciso um agente mais atento para descobrir o esconderijo do traficante. O abrigo foi construído por trás de um armário e continha um colchão, uma ventoinha, algumas garrafas de água e algum dinheiro. As imagens do esconderijo podem ser vistas mais à frente no vídeo.

O homem foi preso pela primeira vez em 2008, mas três anos depois conseguiu escapar do hospital, onde estava a receber tratamento clínico.

Nas últimas duas décadas, a máfia de Calábria tornou-se num dos mais poderosos e ricos grupos de crime organizado. De acordo com os investigadores, o grupo só conseguiu alcançar tamanho poder, pois era um dos mais importantes importadores de cocaína da América do Sul para a Europa.

  • Governo enfrenta vaga de contestação
    2:35

    Economia

    O Governo enfrenta uma onda de contestação. Guardas prisionais, procuradores, professores, médicos e enfermeiros descontentes ameaçam com greves nos diferentes setores, já nos meses de março e abril.

  • Bastonário dos médicos diz que a classe deixou de acreditar no ministro da Saúde
    2:24

    País

    Desde Março do ano passado que perto de mil médicos especialistas aguardam colocação nos hospitais. O concurso, prometido várias vezes pelo ministro da Saúde, não abriu ainda por falta de autorização do Ministério das Finanças. Amanhã, quinta-feira, um grupo destes médicos vai à Assembleia da República entregar uma carta que entretanto já seguiu para os ministros da Saúde e Finanças.

  • Proposta criação de 77 mil empregos através de uma descida da TSU
    1:23
  • 296 mortos em 2 dias de bombardeamentos em Ghouta Oriental
    2:16
  • Tiroteio na Florida foi o 18.º registado em meio escolar nos EUA desde janeiro
    1:25