sicnot

Perfil

Mundo

Enviado da ONU diz que leste de Alepo enfrenta "destruição total"

A ONU emitiu esta quinta-feira um apelo sobre Alepo ao avisar que o leste da cidade enfrenta a "destruição total", e exortou os combatentes islamitas a abandonaram as suas posições para permitir o envio de ajuda aos civis.

"No máximo em dois meses, dois meses e meio, a cidade do leste de Alepo pode estar totalmente destruída", disse o enviado da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, em declarações aos jornalistas em Genebra.

A zona rebelde do leste de Alepo tem sido flagelada por uma ofensiva das forças governamentais com o apoio da aviação russo, incluindo diversos ataques a instalações hospitalares.

De Mistura assinalou que a presença de combatentes do grupo jihadista Al-Nusra na cidade tem sido utilizada como justificação por Moscovo e Damasco para este assalto continuado.

A antiga Frente Al-Nusra alterou recentemente a sua designação para Frente Fateh al-Sham na sequência da sua desvinculação à rede da Al-Qaida, apesar de se considerar que os dois grupos mantêm conexões.

"Por favor, olham para os meus olhos", referiu de Mistura num desafio direto aos líderes da Al-Nusra, antes de apelar para que abandonem Alepo.

"Caso decidam sair (de Alepo) com dignidade (...) estou pessoalmente preparado fisicamente para vos acompanhar", disse ainda o enviado da ONU.

As Nações Unidas estimam que cerca de 275.000 civis estão sob cerco no leste de Alepo, e com a impossibilidade de envio de ajuda após as forças governamentais terem controlado a última rota de abastecimento em julho.

Lusa

  • "Desisto com muita dificuldade, só abandono a liderança se houver rebelião"
    2:39
  • Voaram tochas, engenhos pirotécnicos, garrafas na "batalha campal" de Bilbau
    1:39
  • Substituiria o seu café por bolotas?

    País

    Investigadores da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto (FFUP) desenvolveram um produto à base de bolotas para substituir o café, de forma a evitar os efeitos negativos que esta bebida pode ter nos consumidores.

  • Não dá mais, Brasil!
    18:00