sicnot

Perfil

Mundo

Aos 85 anos, arcebispo Desmond Tutu quer opção de morte assistida

© Mark Wessells / Reuters

O arcebispo anglicano emérito sul-africano e ícone anti-apartheid Desmond Tutu celebrou esta sexta-feira o seu 85.º aniversário dizendo que gostaria que lhe fosse permitida a opção de morte assistida com dignidade.

"Hoje, eu mesmo estou mais perto da sala das partidas do que da das chegadas, por assim dizer, e os meus pensamentos centram-se em como eu gostaria de ser tratado quando chegar o momento", escreveu Tutu num artigo de opinião publicado no diário norte-americano The Washington Post.

"Preparei-me para a minha morte e deixei claro que não desejo ser mantido vivo a qualquer custo", disse o religioso, que teve alta do hospital no final de setembro.

"Espero ser tratado com compaixão e que me seja permitido partir para a próxima fase da jornada da vida da forma que eu escolher", frisou.

Tutu, a quem chamam carinhosamente "the Arch" (abreviatura de arcebispo), esteve várias vezes hospitalizado desde o ano passado devido a uma infeção persistente, resultante do tratamento para o cancro da próstata que faz há quase 20 anos.

"Agora mais que nunca, sinto-me impelido a dar voz a esta causa: para aqueles que sofrem insuportavelmente ao chegarem ao fim das suas vidas, apenas saber que uma morte assistida está ao seu alcance pode dar um incomensurável conforto", argumentou.

O suicídio medicamente assistido ou eutanásia voluntária é ilegal na África do Sul, mas nos últimos anos tem havido apelos crescentes para que seja legalizado.

Hoje de manhã, Desmond Tutu presidiu à eucaristia na igreja da sua paróquia na Cidade do Cabo e prestou um comovente tributo à catedral de St. George antes de deitar a cabeça na mesa da comunhão e chorar por uns momentos.

"Dei indicação de que, quando chegar o momento, quero repousar aqui, permanentemente, convosco", disse aos fiéis.

Tutu, que se tornou o primeiro arcebispo anglicano negro da Cidade do Cabo, em 1986, tomou uma chávena de chá com os fiéis após o serviço religioso da manhã.

No dia do seu aniversário, o Presidente sul-africano, Jacob Zuma, e o último líder do apartheid, F.W. de Klerk, prestaram-lhe homenagem.

Em comunicado, Zuma disse que Tutu "contribuiu imensamente para a liberdade e o sistema democrático" da África do Sul.

"Ele continua a inspirar a nação e o mundo ao promover os direitos humanos, a justiça e o bem-estar de todos, especialmente dos pobres", disse Zuma.

De Klerk e a sua fundação desejaram a Tutu "a melhor saúde no próximo ano" e reconheceram "o seu valioso papel como pacificador, bem como o seu contributo para a boa vontade entre todos os sul-africanos e para a democracia constitucional da África do Sul".

Ordenado sacerdote aos 30 anos e nomeado arcebispo em 1986, Desmond Tutu usou a sua posição para defender a adoção de sanções internacionais contra o poder da minoria branca na África do Sul e, mais tarde, para lutar por direitos, de forma global. Recebeu o Prémio Nobel da Paz em 1984.

Lusa

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".