sicnot

Perfil

Mundo

Dhlakama confia que haverá acordo de paz em Moçambique até finais de novembro

O presidente da Renamo, principal partido da oposição em Moçambique, Afonso Dhlakama, mostrou-se confiante de que a paz seja alcançada até finais de novembro, na sequência das negociações em curso para pôr fim à crise político-militar.

"Quero prometer ao povo que a paz será encontrada de novo, se calhar dentro de meses. Não quero acreditar que a gente passe as festas do Natal ainda com os conflitos. Acredito que até finais de novembro, ou até meados, a paz volte para o povo em Moçambique", disse o líder da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) em declarações por telefone à Lusa.

Na semana em que se assinalou o 24.º aniversário da assinatura do acordo que pôs fim a 16 anos de guerra civil, a 04 de outubro de 1992, Dhlakama reiterou que o chamado Acordo Geral de Paz, assinado em Roma, tem sido sistematicamente violado pelo partido no poder desde 1975, a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo).

"Infelizmente, tudo aquilo que havíamos acordado em Roma foi violado pela Frelimo, porque o multipartidarismo não está a funcionar bem. Já tivemos várias eleições, foram manchadas por fraude (...). Desde de 1994 até às últimas eleições de 2014, sempre houve roubos de voto, nas presidenciais e nas legislativas, e inclusive até nas autárquicas", afirmou.

Além disso, disse Dhlakama, há uma política de exclusão social - "se você não é membro da Frelimo, não é nada, é considerado estrangeiro" -, assim como "há raptos, há sequestros, há fuzilamentos, há mais pobreza (...). Falhou cem por cento o Acordo Geral de Paz".

Apesar do alegado fracasso do acordo de há 24 anos, Dhlakama acredita que as negociações em curso, que envolvem a mediação internacional, terão um resultado positivo.

Ainda assim, e apesar do otimismo, Dhlakama não aceita um cessar-fogo, previsto pela mediação internacional das negociações em curso. Para o líder da oposição, só haverá tréguas quando for assinado um acordo de paz com a Frelimo.

"Se há guerra é porque há um motivo qualquer. Primeiro encontramos a solução do problema, depois cessamos fogo de uma vez para sempre. Agora se cessarmos fogo hoje de emoção e um mês depois continuarmos, estaríamos a brincar com o povo", disse o dirigente que recusa um encontro pessoal com Filipe Nyusi nesta fase das negociações.

"É dispensado esse encontro, a não ser que seja um encontro para assinar o dossier, aquilo que aconteceu com Chissano, quando me encontrei com ele lá em Roma em 1992", disse Dhlakama, salientando que cada uma das partes tem "representantes nas comissões", que "estão credenciados para poderem negociar" em nome dos respetivos líderes.

Argumentou ainda que o conflito em curso é o que permite fazer avançar as negociações: "A Frelimo aceita algumas coisas (...) porque está a perder no terreno. (Se aceitarmos) agora o cessar-fogo sem acordar com a Frelimo, (...) as negociações podem até levar dois ou quatro anos porque estão a governar, já não há incómodo".

Dhlakama alertou ainda o partido no poder, que reúne este fim-de-semana o seu comité central numa sessão extraordinária, que "já não é tempo de fazer propaganda".

"O povo está a sofrer, se há guerra é porque a Frelimo tem estado a provocar a Renamo e, sejamos realistas, o país não é da Renamo, o país é do povo, não é de Guebuza, de Chissano, nem do Dhlakama e nem do Nyusi. Nós somos dirigentes. Cada um deve estar em prol dos interesses superiores deste povo".

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59